21°
Máx
17°
Min

Fifa reduz suspensão de Valcke para dez anos e mantém multa a ex-secretário-geral

Valcke havia sido originalmente suspenso por doze anos e multado em US$ 100 mil (Foto: Danilo Borges/ Portal da Copa) - Fifa reduz suspensão de Valcke para dez anos e mantém multa
Valcke havia sido originalmente suspenso por doze anos e multado em US$ 100 mil (Foto: Danilo Borges/ Portal da Copa)

A Fifa reduziu para dez anos a suspensão de Jérôme Valcke do futebol, depois de rever seu processo e considerar o apelo apresentado pelo francês que organizou a Copa do Mundo no Brasil em 2014. Valcke havia sido originalmente suspenso por doze anos e multado em US$ 100 mil. A multa foi mantida, mas a Fifa optou por reduzir a suspensão para um total de dez anos.

A entidade não explicou o motivo da redução da pena, mas indicou que "fatores mitigantes" sobre os contratos de TV para a Copa de 2018 e 2022 não foram considerados de forma adequada na primeira avaliação.

Foram mantidas as denúncias de violação de regras de conduta, lealdade, confidencialidade, conflito de interesses, obrigação de colaborar e oferecer ou aceitar presentes e outros benefícios.

Valcke, que chegou a pensar em uma candidatura para a presidência da Fifa, foi afastado depois de o Estado de S. Paulo e outros nove jornais internacionais revelarem que o francês fechou acordos para ficar com parte dos lucros da revenda de ingressos para a Copa do Mundo de 2014, realizada no Brasil, num esquema com ágio de mais de 200% nos valores das entradas e que teria envolvido mais de 2 milhões de euros (cerca de R$ 8,6 milhões) apenas para o bolso do dirigente.

Falastrão e milionário, Valcke ficou conhecido por ter sugerido que o Brasil levasse um "chute no traseiro" pelos atrasos na obras da Copa do Mundo. Na Fifa, ele levou a entidade a ser condenada por uma multinacional e que custou a ela US$ 90 milhões em 2006. Naquele momento, a Fifa também anunciou seu afastamento. Mas ele voltaria em 2007 como número 2 da entidade.

Agora, as alegações apontavam para a organização de um verdadeiro mercado negro de ingressos operando dentro da própria Fifa. A denúncia foi apresentada por Benny Alon, empresário israelense e americano que desde 1990 trabalha com a venda de entradas para os Mundiais. Sua empresa, a JB Marketing, ainda apontou para o "desaparecimento" de 8,3 mil entradas para a competição e que teriam de ser vendidas por eles no torneio.

O centro do escândalo envolvia a empresa JB Marketing, que fechou um contrato em 2010 com a Fifa para vender pacotes de ingressos VIPs. Pelo entendimento, 11 mil ingressos seriam entregues a eles em locais "nobres" dos estádios do Mundial no Brasil em 2014. A empresa teria o direito de escolher 12 jogos para os quais pediria ingressos para colocar no mercado, com preços acima do valor de tabela. Outros 12 jogos seriam escolhidos pela Fifa e a entidade lhes entregaria partidas sem o mesmo apelo comercial. Esse último pacote envolveria 2,4 mil ingressos.

Em dezembro de 2012, no Rio de Janeiro, Alon procurou Valcke durante a Soccerex e pediu um novo encontro para tratar do assunto. A reunião, porém, ocorreria apenas em março de 2013. O empresário viajou até Zurique e, no escritório da Fifa, explicou que gostaria de renegociar a questão dos doze jogos mais fracos e obter melhores partidas para o Mundial de 2014. Segundo ele, pelo esquema montado, sua empresa perderia US$ 300 mil (R$ 1,2 milhão aproximadamente) se o acordo fosse mantido.

"Valcke foi até seu cofre, colocou suas digitais e tirou dali nosso contrato", contou Alon. "Valcke então me perguntou: O que tem aqui para mim?", disse o empresário. "Eu respondi que poderíamos dividir 50% para cada um. Naquele momento, não pensava que a divisão seria com Valcke, mas com a Fifa e que a entidade ficaria com 50% do lucro que eu fizesse".

Pelo novo acordo, os ingressos que a JB poderia vender não seriam mais as entradas para jogos "fracos", sem muito apelo do público brasileiro, mas sim para os principais jogos do Mundial. Isso envolvia todas as partidas da seleção brasileira e a grande final no Maracanã. O acordo fechado era de que o valor do ágio na venda dos ingressos seria repartido em 50% entre a JB e Valcke.

No dia 2 de abril de 2013, Valcke confirmou o acordo por e-mail. O entendimento era ainda de que os dois iriam se ver no dia 3 de abril de 2013 em Zurique. Na ocasião, Alon traria o dinheiro em uma maleta. "Era um adiantamento", explicou o empresário. O parceiro comercial de Alon, Heinz Schild, conta que foi até um banco em Zurique e retirou de um cofre US$ 250 mil. A mala usada também era um agrado. Valcke, francês, tem uma Ferrari branca e a mala, portanto, tinha o desenho de uma Ferrari branca com uma bandeira da França.

Mas, na manhã daquele dia, às 9h08, o cartola escreveria a partir de seu e-mail oficial, jerome.valcke@fifa.org: "Estou desembarcando às 11h30 então perto das 11h45 na Fifa", disse. "Tenho um almoço às 12h com Jaime, seguido por encontros às 2h e depois às 3h com funcionários. Não tenho ideia de como podemos nos ver. Para os documentos, feche-os em algum lugar e lidaremos com isso da próxima vez".

Segundo Alon, a palavra "documentos" era usada por eles para falar de "dinheiro vivo". "Não conheço nenhum outro documento que se usa para um fundo de pensão". No e-mail, Valcke ainda se mostra preocupado com um impacto disso em uma eventual campanha para ser presidente da Fifa. "Numa potencial corrida para a presidência, não posso olhar para eles (documentos) até que eu tome uma decisão sobre o futuro", escreveu em um dos e-mails a que a reportagem do Estado teve acesso com exclusividade no Brasil.

Mas ele foi claro em apontar o valor da mala. "Documento é meu fundo de pensão se eu procurar algo, se eu não estiver mais na Fifa ao final de 2014 ou meados de 2015, no máximo", completou Valcke. Alon revela que o dinheiro voltou aos cofres do banco. Mas continuou a atualizar Valcke sobre os lucros da negociata. No dia 23 de abril, um e-mail entre o empresário a Valcke comemorava: "Estamos nos dando melhor que a Bolsa de Nova York".

A suspensão de Valcke começou a valer em fevereiro e dura até 2026. Para a Copa no Brasil, ele, Joseph Blatter e outro alto funcionário da Fifa haviam assinado contratos para receber bônus de R$ 100 milhões. Só Valcke recebeu mais de US$ 10 milhões por ter organizado o evento.