28°
Máx
17°
Min

Fumante em campo e 15 pagantes: causos da Segundona Paranaense

(foto: Lucas Henrique/Prudentópolis FC) - Fumante em campo e 15 pagantes: causos da Segundona Paranaense
(foto: Lucas Henrique/Prudentópolis FC)

A Divisão de Acesso do Campeonato Paranaense entra no próximo final de semana na quarta rodada. Até o momento, a competição é marcada pelo equilíbrio, com apenas um ponto de diferença entre o vice-líder Cianorte e o vice-lanterna Cascavel.

Além da disputa em campo, a segundona do Estadual reúne causos peculiares. A começar pelo público, ou a falta dele. Na segunda rodada, o Cambé mandou a partida contra o Apucarana Sports em Cianorte, no estádio Albino Turbay. O confronto foi acompanhado por apenas 15 pagantes, que desembolsaram R$ 5 cada, gerando renda de R$ 75.

Apesar da vitória, o Cambé voltou para casa com um prejuízo de R$ 5,9 mil, por conta do pagamento do trio de arbitragem e das taxas da Federação Paranaense.

 O ‘recorde’ do Cambé quase foi quebrado na terceira rodada, quando 21 torcedores pagaram para ver o Andraus enfrentar o próprio Cambé no estádio Atilio Gionedis, em Campo Largo. O Andraus venceu por 1 a 0, mas saiu de campo com prejuízo de R$ 3,6 mil.

Nas 12 partidas disputadas na competição até aqui, apenas uma teve público pagante superior a 500 pessoas. Na segunda rodada, Cianorte e Prudentópolis empataram em 0 a 0 em jogo acompanhado por 645 pagantes.

Cigarro e confusão

Além da baixa presença de público, a Divisão de Acesso reúne histórias que nem de longe lembram que se trata de torneio profissional. 

Bom exemplo é a partida entre Maringá e Prudentópolis, disputada no estádio Willie Davids no último sábado (12), que terminou com vitória dos visitantes por 2 a 0.

Em relato na súmula, o árbitro João Paulo Queiroz contou que o supervisor de futebol do Maringá, Luiz Carlos Ferreira, invadiu o campo para reclamar da arbitragem aos 22 minutos de jogo, quando a partida ainda estava 0 a 0.

Detalhe: segundo o árbitro, o dirigente entrou em campo fumando um cigarro. Ao final da partida, Ferreira voltou a invadir o gramado para xingar o árbitro a caminho dos vestiários. “Se for homem me relatem, que eu quero ver se vocês têm coragem”, disse o dirigente, segundo relato do árbitro na súmula.

Também houve registro de confusão fora do campo. Aos 39 minutos do segundo tempo, o jogo parou para atendimento de um jogador lesionado quando começou um tumulto, com a torcida do Maringá invadindo o espaço reservado aos visitantes de Prudentópolis. “Vendo isto, atletas do Prudentópolis tentaram ir ao confronto pois, segundo eles, havia familiares (na arquibancada), desistindo em seguida”, relatou Queiroz. Um dos integrantes da diretoria do Prudentópolis passou mal em meio à confusão.

Regulamento

Ainda faltam seis rodadas para o fim da primeira fase da Divisão de Acesso. Dos nove participantes, oito se classificam para a fase seguinte, enquanto o lanterna cai para a Terceira Divisão.

Os classificados iniciam mata-mata com disputa das quartas de final, semifinais, até chegar à decisão, quando os dois finalistas garantem vaga na elite do Paranaense em 2017.