28°
Máx
17°
Min

Invicto no futebol de cegos, Brasil quer conquistar tetracampeonato no Rio

(Foto: Divulgação/Agência Brasil) - Futebol de cegos do Brasil busca tetracampeonato paralímpico
(Foto: Divulgação/Agência Brasil)

Desde que o futebol de 5, praticado por atletas com deficiência visual, foi incluído nos Jogos Paralímpicos, em 2004, a equipe brasileira foi a única a conquistar medalhas de ouro na modalidade. Os atletas brasileiros subiram no degrau mais alto do pódio em Atenas (2004), Pequim (2008) e Londres (2014) e, neste ano, querem conquistar o tetracampeonato paralímpico no Rio de Janeiro.

O presidente da Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais (CBDV), Sandro Laina, conta com orgulho que o futebol de 5 do Brasil também é campeão mundial e não perdeu nenhum campeonato desde 2006. “O futebol de 5 ganhou todas as competições que disputou, e chega muito forte em busca do tetracampeonato paralímpico”, diz Laina.

Entenda

O futebol de 5 é praticado apenas por atletas cegos, com exceção dos goleiros, que enxergam normalmente. As partidas podem ser jogadas em uma quadra de ginásio ou de grama sintética, com as mesmas medidas do futebol de salão. Nas laterais, são colocadas barreiras para que a bola não saia da linha.

Os times são compostos por cinco jogadores: um goleiro e quatro na linha, que usam vendas pra deixar todos em condições iguais, já que cada atleta tem um grau diferente de deficiência visual. Cada time tem também um chamador, que fica atrás do gol adversário orientando o ataque de seu time. Nos momentos de cobrança de falta ou pênalti, ele bate nas traves com um objeto metálico para fazer barulho e indicar ao atleta a posição do gol.

O silêncio é fundamental durante um jogo de cegos e a torcida só deve se manifestar na hora do gol. A bola usada tem guizos no interior, para que os jogadores possam identificar sua posição pelo som. As partidas têm duração de 50 minutos, divididas em dois tempos de 25 minutos.

Colaboração Agência Brasil