22°
Máx
16°
Min

Jogadores do Uruguai cobram transparência de entidade que dirige futebol do país

Os jogadores do Uruguai emitiram um comunicado nesta terça-feira exigindo "dignidade, transparência e respeito" à Associação Uruguaia de Futebol (AUF). O pedido aconteceu enquanto a entidade negocia um novo contrato com o fornecedor de material esportivo para a seleção.

A AUF estaria para fechar com a Nike para produzir os uniformes da seleção em todas as suas categorias e seleções para os próximos sete anos. O contrato valeria a partir de 2017, já que até o final desse ano a seleção tem contrato com a Puma e também com o canal de televisão Tenfield.

A marca norte-americana ofereceu US$ 24 milhões (cerca de R$ 77 milhões) por ano, um valor que "supera amplamente a proposta da Tenfield e da Puma previamente recebida", informou a resolução da sessão extraordinária da AUF em 16 de agosto.

Apesar de não ser uma crítica direta, o comunicado dos jogadores apoiam a oferta da Nike e também uma maior transparência na AUF. A mensagem foi divulgada no Twitter pelo capitão uruguaio, Diego Godín, e apoiado por outros jogadores, como o goleiro Fernando Muslera, o meio-campista Carlos Sánchez e o atacante Luis Suárez.

"Faz anos que o plantel da seleção planeja reestruturar e profissionalizar a relação com a AUF, coisa que atualmente estamos tratando com seu executivo e muito especialmente para democratizar todas as suas estruturas, algo que é urgente. Se isso acontecer, a AUF poderá atender com muito mais eficácia as necessidades do futebol em nosso país e poderá manejar seus recursos com independência. Só assim poderá se livrar do jogo de interesses e não seguirá vendendo seu rico patrimônio ao baixo preço da necessidade", informou.

O comitê executivo da AUF se reunirá nos próximos dias para definir qual proposta será aceita. Caso opte pela Nike, a Tenfield e a Puma terão um prazo de 20 dias para igualar ou melhorar sua proposta.

O contrato com a Nike ainda contempla uma série de pagamentos extras se a seleção uruguaia tiver bom desempenho no Mundial da Rússia em 2018 e Catar, em 2022, assim como nas próximas Copas Américas de 2019 e 2023.