22°
Máx
16°
Min

Leco condena invasão ao CT do São Paulo: 'O que assistimos hoje foi deplorável'

Foto: torcedores.com - Leco condena invasão ao CT: "O que assistimos hoje foi deplorável"
Foto: torcedores.com

O presidente do São Paulo, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, concedeu na tarde deste sábado uma entrevista coletiva em razão da invasão ao CT do clube, na Barra Funda. De acordo com o dirigente, os atos foram deploráveis e serão apurados com todo rigor para que providências sejam tomadas.

De acordo com Leco, "as cobranças são legítimas e até necessárias. Mas o que aconteceu aqui hoje foi outra coisa, e isso nós não vamos aceitar". O presidente do São Paulo ainda dirigiu-se diretamente aos responsáveis pela invasão e disse que o ocorrido teve interesse político.

"Aos autores e idealizadores desse ato digo que não me intimidam, muito pelo contrário. Uma coisa é a insatisfação da torcida com a situação do clube no campeonato, ou até a frustração diante de uma derrota inaceitável para um clube do tamanho do São Paulo. Outra coisa muito diferente é uma manifestação como esta de hoje arquitetada com fins políticos para tentar desestabilizar a administração do clube."

Integrantes de torcidas organizadas do São Paulo realizaram um protesto na manhã deste sábado em frente ao CT do clube devido à má campanha do time no Campeonato Brasileiro e também à derrota sofrida na última quarta-feira para o Juventude por 2 a 1, no Morumbi, pela Copa do Brasil.

Por volta das 11 horas, os torcedores conseguiram entrar nas dependências do clube e interromperam o treino que estava acontecendo no local. Poucos jogadores foram poupados do protesto, assim como o técnico Ricardo Gomes. Outros, como Carlinhos, Michel Bastos e Wesley chegaram a ser agredidos. O clube também teve alguns pertences furtados como camisas de treino e bolas. No momento em que os fatos ocorreram, Leco estava em Cotia, outro CT do São Paulo, dedicando-se a outros compromissos.

O São Paulo possui imagens de circuito interno de todo o ato. Estas gravações serão usadas pelas autoridades responsáveis para que possíveis culpados sejam identificados. "Os idealizadores deste protesto não estão preocupados com o bem do São Paulo. Eles apostam no quanto pior melhor, mas serão identificados e desmascarados. E sobretudo, não vão triunfar", afirmou Leco.

Leco também fez questão de deixar claro que irá prestar solidariedade ao elenco, à comissão técnica e a todos os profissionais que trabalham no São Paulo. "Como presidente do São Paulo, sei da insatisfação da imensa nação são-paulina com o desempenho atual do time no campeonato nesse momento. Mas sei também que a nação são-paulina não apoia nem tolera atos de vandalismo como os que vimos hoje".

O São Paulo não vence há dez jogos. No Brasileirão, o time ganhou apenas quatro partidas jogando em casa e ocupa a 11ª colocação com 27 pontos, com sete vitórias, seis empates e oito derrotas.

Passados os protestos, os jogadores continuaram no CT e realizaram um treino fechado às 16h30 comandado por Ricardo Gomes visando a partida deste domingo contra o Coritiba, no Morumbi.