22°
Máx
16°
Min

Londrina perde mando de campo e é multado em R$ 20 mil por briga de torcidas

(foto: Wellington Ferrugem/Londrina Esporte Clube) - Londrina perde mando de campo e é multado por briga de torcidas
(foto: Wellington Ferrugem/Londrina Esporte Clube)

A Quarta Comissão Disciplinar do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) puniu o Londrina pela briga de torcida na partida contra o Goiás, no dia 23 de agosto, no estádio do Café, pela Série B do Campeonato Brasileiro.

O Tubarão foi multado em R$ 20 mil e perdeu um mando de campo. O clube foi condenado por unanimidade no artigo 213 (Deixar de tomar providências capazes de prevenir e reprimir desordens em sua praça de desporto) e por maioria de votos no artigo 211 (deixar de manter o local que tenha indicado para realização do evento com infraestrutura necessária a assegurar plena garantia e segurança para sua realização). A pena máxima era de multa de R$ 100 mil e até dez mandos de campo.

Em cada artigo, a multa é de R$ 10 mil. No artigo 213, ainda cabe uma perda de mando de campo, sem portões fechados.

O Goiás também foi multado em R$ 10 mil mais uma perda de mando sem portões fechados.

O diretor de futebol do Londrina, Ocimar Bolicenho, adiantou que o clube vai recorrer da decisão no pleno do STJD na próxima segunda-feira (5) para tentar efeito suspensivo.

O árbitro Célio Amorim descreveu em súmula a confusão ocorrida na arquibancada, que deu origem à punição.

"Aos 46' do segundo tempo houve a necessidade de paralisar a partida em virtude de um tumulto vindo da arquibancada ocorrido entre as torcidas. A paralisação durou cerca de 1', tempo suficiente para que pudéssemos checar junto ao policiamento as condições de segurança dos torcedores. Após a garantia de segurança por parte do policiamento a partida continuou sem problemas. Ao final o Sr. Aspirante Bruno Franceschet no relatou os fatos ocorridos na arquibancada: "A torcida do Londrina Esporte Clube jogou artefato explosivo na torcida do Goiás Esporte Clube, não feriu ninguém. Após isso a torcida do Goiás efetuou o lançamento de pedregulhos contra a torcida do Londrina, ninguém foi ferido. A policia interviu (sic) com granadas de efeito moral que não atingiram nenhum torcedor".

O advogado do LEC, Eduardo Vargas, acompanhou o julgamento e apresentou prova de vídeo e documental e destacou que haviam quatro barreiras separando as torcidas. A defesa ressaltou ainda que o local dito pela arbitragem onde houve o lançamento só estavam localizados torcedores de bem e não organizadas.  “Não haviam torcedores organizados do Londrina onde o árbitro disse que foi lançada a bomba. O Londrina não tem histórico de desordens no tribunal. As bombas são ouvidas. Me parece crível que ouve sim uma agressão da torcida do Goiás que depredou o estádio e lançou pedras na torcida do Londrina. Razão pela qual não há de se falar em infração da equipe do Londrina”.


Já o auditor Luis Felipe Procópio, relator do processo, justificou a gravidade dos fatos para a aplicação da pena. “Entendo que são fatos graves e não consigo enxergar fatos muito mais graves que esse. Lançamento de objeto explosivo e pedras poderiam ter causado uma tragédia de grande repercussão”.