20°
Máx
14°
Min

O goleiro que dividiu holofotes com Neymar em busca do Ouro Olímpico

(Foto:  Robson de Lazzari/Rede Massa) - O goleiro que dividiu holofotes com Neymar em busca do Ouro Olímpico
(Foto: Robson de Lazzari/Rede Massa)

De um menino que fugiu de casa com 17 anos em busca do sonho de ser jogador, para um campeão olímpico no Maracanã. Weverton Pereira da Silva, goleiro do Atlético Paranaense contou a experiência de ser campeão em entrevista coletiva na manhã desta terça-feira (23), no Centro de Treinamento do time, em Curitiba.

Ele foi convocado para a Seleção Olímpica no lugar de Fernando Prass, do Palmeiras, pouco antes da Olimpíada começar. Nos jogos fez história, e aparece em uma das primeiras convocações de Tite para a  Copa do Mundo de 2018. “Parece que estou vivendo um sonho, ainda não voltei para a realidade”, diz o goleiro.

Com muita pressão, por conta do 7x1 na Copa do Mundo de 2014, a seleção se mostrou confiante e com muita garra, mesmo que nos pênaltis, em busca da vitória. Como se não bastasse a pressão dos torcedores brasileiros, a cobrança do treinador Tite impôs um certo medo na seleção. “Lembro de ter entrado no estádio e já ter sentido aquela vibração das pessoas e a expectativa em cima da gente”, conta Weverton.

Futuro

Quando questionado o que seria daqui para frente em relação ao clube Atlético Paranaense, o goleiro agradeceu a todo momento a oportunidade e a torcida que, segundo ele, faz total diferença na maioria dos resultados.

“Ainda não tive tempo de pensar no que pode acontecer comigo, minha vida mudou em menos de um mês. Acredito que todo mundo tem um sonho de jogar fora do Brasil, mas por enquanto, não passou pela minha cabeça dar prioridade a isso”.

Com o contrato firmado até a metade de 2018 com o Atlético Paranaense, Weverton se prepara para seu próximo jogo, que acontece amanhã (24), contra o Grêmio, na Arena da Baixada.

Colaboração Paula Caroline Schreiber e Robson de Lazzari/Rede Massa