22°
Máx
17°
Min

Sem confiar na CBF, Fifa assume projetos de construção de campos no Brasil

Sem confiar na CBF, a Fifa mudou o acordo para o financiamento de centros de treinamento que seriam construídos pelo Brasil a partir das receitas da Copa do Mundo de 2014 e decidiu assumir as obras dos projetos, inclusive a contratação de fornecedores.

No Mundial, a Fifa anunciou um fundo com US$ 100 milhões (aproximadamente R$ 400 milhões) para iniciativas no País. O dinheiro seria parte do legado que a Copa deixaria ao Brasil. Mas, quase dois anos depois, apenas US$ 8 milhões (R$ 32 milhões) foram liberados e só um projeto, no Pará, foram concluídos. Diante do indiciamento de Marco Polo Del Nero na Justiça norte-americana, da prisão de José Maria Marin e da indefinição sobre quem seria o presidente da CBF, todos os recursos foram congelados.

Nesta quarta-feira, o presidente interino da CBF, coronel Antônio Nunes, esteve pela primeira vez na sede da Fifa, ao lado de Fernando Sarney, seu vice. Os brasileiros pressionaram a entidade máxima do futebol para que volte a liberar os recursos, alegando que a entidade estava sendo cobrada por federações estaduais. Na divisão das sedes da Copa, ficou estabelecido que os estados que não recebessem jogos ganhariam acesso aos projetos da Fifa.

Para desbloquear as obras, ficou estabelecido que a Fifa não iria repassar o dinheiro ao Brasil. Mas faria a licitação para cada um dos projetos com empresas internacionais que concretizariam as obras. Assim, nenhum centavo passaria nem pela CBF e nem pelas entidades estaduais.

Outro obstáculo se refere aos terrenos usados. No acordo original, foi estabelecido que terrenos teriam de ser comprados para as obras. Mas, temendo desvio de recursos ou concessões por anos limitados, a Fifa agora quer que os projetos sejam desenvolvidos em terrenos cedidos pelo poder público. Em alguns dos estados, essa já era a ideia e o processo poderá ser retomado. Mas, em diversos outros locais, os terrenos avaliados eram propriedades privadas.

Pelo mundo, a Fifa vem sendo alvo de escândalos no financiamento de projetos que ocorriam em terrenos que dirigentes locais vendiam para a própria entidade por valores inflados. Assim, os cartolas locais lucravam com recursos que deveriam ser destinados para o desenvolvimento social.