Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Torcedor flamenguista segue em estado grave após briga no Mané Garrincha

Um torcedor do Flamengo está internado em estado grave após uma briga entre membros das organizadas de Flamengo e Palmeiras no estádio Mané Garrincha, no intervalo e depois da partida em que o time alviverde derrotou o rubro-negro por 2 a 1, pelo Campeonato Brasileiro, neste domingo. Um outro torcedor rubro-negro também foi internado, mas está consciente.

O torcedor internado em estado grave chama-se Evandro Gatto, tem 47 anos, mora no Rio de Janeiro e, segundo informações do Hospital de Base, sofreu um traumatismo craniano. De acordo com a Polícia Militar do Distrito Federal, 30 palmeirenses foram detidos.

O outro flamenguista hospitalizado é João Vitor dos Santos Araújo, de 30 anos. Ele sofreu vários ferimentos pelo corpo, teve um corto no rosto após ser atacado por torcedores e foi levado para o hospital sangrando muito, mas consciente, segundo o Corpo de Bombeiros.

Segundo a assessoria de imprensa da PM, palmeirenses com os rostos cobertos pela camisa do time deixaram a área destinada à torcida alviverde e invadiram o local reservado aos flamenguistas.

Os seguranças do estádio tentaram conter o confronto, mas não conseguiram e, por isso, os policiais foram acionados e usaram gás de pimenta e bombas de efeito moral para dispersar a briga. Os torcedores reagiram invadindo a área de bares do estádio e arremessaram lixeiras contras os policiais. A polícia informa que os agressores poderão responder por tentativa de homicídio por causa da agressão ao torcedor rival.

SPRAY - Aproximadamente 350 policiais foram deslocados para conter o confronto no estádio, com o apoio de policiais que atuaram na escolta de torcedores. Três sargentos saíram feridos. Um teve o nariz quebrado por uma pedrada, o segundo, as mãos perfuradas por estilhaços e o terceiro, uma contusão causada por um extintor arremessado em suas costas.

O spray de pimenta utilizado pela PM acabou chegou as arquibancadas e ao gramado do estádio Mané Garrincha. Torcedores e jogadores das duas equipes tiveram dificuldades para respirar. Por causa da confusão, o segundo tempo da partida começou dez minutos atrasado.

"De uma hora para outra começou a coçar a garganta e ter ânsia de vômito. Vomitei um pouco e tive uma sensação ruim na garganta. Sabemos que hoje, com a tecnologia que tem, consegue identificar as pessoas. Só que não adianta levar para um lugar, ficar meia hora, fazer uma ficha...", desabafou o goleiro Fernando Prass.

Uma cena que chamou a atenção foi de um pai carregando o filho cadeirante nos braços. Chorando, ele beijava o rosto do garoto e corria para tentar tirá-lo do local. Um brigadista, que usava máscara para se proteger do spray, levava a cadeira de rodas.

Recentemente, um jogo disputado no Mané Garrincha entre Vasco e Vila Nova, pela Série B do Campeonato Brasileiro, também teve confusão e o jogo foi paralisado por causa do gás de pimenta.

Em São Paulo, o Ministério Público decidiu abolir torcidas visitantes em clássicos após a morte de um homem no último Corinthians e Palmeiras, realizado no começo de abril. Torcedores brigaram em São Miguel Paulista, zona leste da cidade, e na confusão, um homem que passava pelo local e nada tinha a ver com a confusão, levou um tiro no coração e morreu.