22°
Máx
16°
Min

Em busca da segunda vitória seguida, Keima recebe o Marreco

(Foto: Divulgação) - Em busca da segunda vitória seguida, Keima recebe o Marreco
(Foto: Divulgação)

O Keima Futsal/AFP disputará o 14° jogo do Paranaense de Futsal nesta sexta-feira (24), às 20h30, contra o Marreco Futsal de Francisco Beltrão. A partida pode consolidar o rubro-negro na segunda posição da tabela, uma vez que possui os mesmos 25 pontos do Guarapuava, terceiro colocado. A equipe ponta-grossense tenta embalar novamente na competição, após a goleada fora de casa contra o Foz.

O rubro-negro também defende a marca de quatro jogos sem perder no torneio. A série se iguala a dos quatro primeiros jogos do Keima no Paranaense. Na ocasião, os comandados do técnico Baiano venceram três partidas em casa e uma fora, justamente contra o Marreco por 3 a 2, dando sequência à má fase da equipe que também disputa a Liga Nacional.

Hoje, o time de Francisco Beltrão pode, inclusive, igualar futuramente a pontuação do Keima Futsal no campeonato. Isso acontece porque o Marreco fez apenas 11 jogos e soma 16 pontos. Caso vença o rubro-negro amanhã e seus dois compromissos atrasados, chega a 25 pontos.

Para o jogo contra o Marreco, o técnico Baiano terá apenas dois desfalques. Vitinho voltou a sentir que havia o tirado dos últimos dois jogos e ficará fora por pelo menos duas semanas. Além dele, o novo reforço do Keima, o pivô Vilela, ainda aguarda ser inscrito no Paranaense.

Marinho, que cumpriu suspensão na última partida, volta ao time. O goleiro Di Fanti, poupado no último jogo após desconforto nos treinamentos, também será relacionado. Mais uma vez, o jovem ala/pivô Dudu estará entre os 14 jogadores da partida. Ficam de fora Guto, Gustavo e Rafinha.

O novo treinador do Marreco, Fabinho, fará sua estreia pelo Paranaense contra o Keima Futsal/AFP. O técnico Baiano, anfitrião da noite, comentou sobre a nova gestão dos visitantes: “É difícil falar alguma coisa nesse sentido, eu sei que eles contrataram três jogadores e está para chegar mais um. O trabalho do Fabinho é diferente do Nelsinho [antigo treinador], mas acredito que pelo pouco tempo no comando não deve ter mudado muita coisa”, disse.

Sobre a sequência sem vitórias atuando dentro de casa, o treinador vê como normal a pressão pela vitória: “É uma pressão que é normal, porque nós a causamos, nós deixamos que acontecesse pela falta do resultado positivo. Mas é a nossa casa, nós temos que ter a ambição de vencer aqui ao lado do torcedor”, comenta.

Colaboração Assessoria de Imprensa.