22°
Máx
16°
Min

Com bronzes de Tiago e Maria Suelen, judô fecha fim de semana com 7 medalhas

O judô brasileiro teve um ótimo fim de semana no Velho Continente, onde foram disputados dois torneios de nível European Open, o de menor graduação no ranking mundial, em Roma (Itália) e Oberwart (Áustria). Neste domingo, na capital italiana, foram mais duas medalhas, todas com atletas de alto nível que estavam carentes de bons resultados: Tiago Camilo e Maria Suelen Altheman, ambos faturando bronze. Já Rafael Silva, o Baby, foi batido na disputa pelo bronze e terminou em quinto lugar. No total, o Brasil foi ao pódio sete vezes no fim de semana, com duas medalhas de prata e cinco de bronze.

Em Roma, o nível técnico foi mais alto do que em Oberwart. Na chave em que Maria Suelen Altheman ganhou medalha de bronze, na categoria peso pesado (+78kg), estavam as três primeiras do ranking mundial. A brasileira perdeu para a algoz de sempre: a cubana Idalys Ortiz, contra quem agora soma nove derrotas em nove confrontos no Circuito Mundial.

Na repescagem, a brasileira se recuperou vencendo Javzmaa Odkhuu, da Mongólia, e faturou o bronze contra a mexicana Vanessa Zambotti, para quem havia perdido tanto na semifinal do Pan de Toronto quanto no Grand Prix de Havana, há três semanas.

Com o bronze, Maria Suelen voltou ao pódio de uma competição do Circuito Mundial após mais de um ano e meio. Sua última medalha havia sido a prata no Mundial de 2014. Depois, ficou quase um ano afastada por lesão, voltou com bronze no Pan, ficou mais um período longe dos tatames e começou 2016 com resultados ruins em Havana e Paris.

A delegação brasileira em Roma terminou o Aberto Europeu com apenas duas medalhas - a outro foi um bronze de Nathalia Brígida, no sábado. Neste domingo, Maria Portela chegou à briga pelo terceiro lugar, mas acabou derrotada por Naranjargal Tsend Ayush, da Mongólia, 18.ª do mundo, uma posição à frente da gaúcha.

Áustria

 Voltando de lesão, Rafael Silva, o Baby, passou em branco tanto em Havana quanto em Paris. Em Oberwart, mostrou evolução, mas novamente ficou sem medalha. Lutando entre os peso pesados (+100kg), venceu o polonês Kamil Grabowski (155.º) e o egípcio Islam El Shehaby (28.º). Na semifinal, parou no russo Aslan Kambiev (27.º). Depois, na disputa do bronze, acabou sendo superado pelo tunisiano Faciel Jaballah, quarto do mundo, que triunfou por ter sofrido uma punição a menos (2 a 3) do que o brasileiro.

Como David Moura teve ótimos resultados recentes, Rafael Silva está atrás do rival mato-grossense na briga por uma vaga no Rio-2016. Com os 40 pontos conquistados no Aberto Europeu, torneio de menor graduação de pontos, ele reduz para 406 pontos a vantagem de David.

Tiago Camilo (até 90kg), que vinha de resultados ruins no Circuito Mundial há quase dois anos, ganhou medalha de bronze. Numa chave extensa, venceu três lutas contra adversários mal ranqueados e foi superado na semifinal por Gabor Ver, da Hungria, 71.º do mundo. Na decisão do bronze, bateu Mammadali Mehdiyev (40.º), do Azerbaijão. Com o bronze, Tiago empata matematicamente com Eduardo Bettoni no ranking olímpico, que considera apenas o peso que os pontos terão ao fim da corrida para o Rio-2016.

Duas vezes medalhista olímpico, Leandro Guilheiro, que ainda sonhava com uma improvável vaga no Rio-2016 na categoria até 81kg, perdeu logo na estreia para o argentino Emmanuel Lucenti (28.º). O veterano tem 224 pontos no ranking olímpico, contra 1.286 de Penalber, que fatalmente vai à Olimpíada.

Por fim, Rafael Buzacarini vacilou e também perdeu logo na primeira luta da categoria até 100kg, para Tomas Knapek, da República Checa. No ranking olímpico, Luciano Corrêa segue 110 pontos à frente.