20°
Máx
14°
Min

Etiene garante índice para nadar os 100m costas na Olimpíada; Thiago começa mal

Depois de fazer o índice olímpico em três provas, Etiene Medeiros conseguiu se garantir no Rio-2016 na sua especialidade, o nado costas. Atual vice-campeã mundial nos 50m, a pernambucana se qualificou para competir nos 100m costas nos Jogos Olímpicos ao ser a mais rápida das eliminatórias do Troféu Maria Lenk, na manhã deste sábado, no Estádio Aquático Olímpico, no Rio. Thiago Pereira iniciou a competição com apenas o 18.º tempo dos 200m livre.

Etiene cravou 1min00s00 na seletiva, nadando abaixo do índice exigido pela Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), que é 1min00s25. Em teoria, a nadadora do Sesi-SP ainda não está assegurada na Olimpíada porque existe a possibilidade de outras duas brasileiras serem mais rápidas que ela na final da prova. Mas, na prática, isso é praticamente impossível de acontecer. A segunda brasileira mais rápida das eliminatórias foi Natália de Luccas, do Corinthians, com 1min02s64.

Na primeira seletiva da natação brasileira, o Torneio Open, em dezembro, em Palhoça (SC), Etiene fez índice para os 50m e para os 100m livre. Na sexta-feira, na abertura do Maria Lenk, se qualificou para nadar também os 100m borboleta. Mas ela se retirou da final e acabou superada por Daynara de Paula, sua colega de clube, que vai nadar os 100m borboleta no Rio junto com Daiene Dias.

Nos 100m costas masculino, neste sábado, Guilherme Guido ratificou o índice com 53s10, assumindo o quinto lugar do ranking mundial e ficando a apenas um centésimo do recorde sul-americano, que ele estipulou no Open, em dezembro. Daniel Orzechowski, que ao longo do ano passado demonstrou condições de bater o índice, foi só o 10.º, com 55s56, e terá que nadar a final B. Os dois representam o Pinheiros.

THIAGO COMEÇA MAL - Thiago Pereira não brilhou na sua primeira prova no Maria Lenk. Em busca de uma vaga no revezamento 4x200m livre, ele fez apenas o 18.º tempo: 1min50s92. Ele teria a oportunidade de nadar novamente à tarde, na final B, mas vai abrir mão dessa opção.

Nicolas Nilo, também do Minas Tênis Clube, foi o mais rápido das eliminatórias, com 1min46s97, baixando ainda mais a marca que obtivera no Open: 1min47s09. Assumiu o 13.º lugar do ranking mundial. João de Lucca, do Pinheiros, também ratificou o índice, com 1min47s77, melhorando em quatro décimos seu tempo.

André Pereira (1min49s36) e o garoto Felipe Ribeiro (1min49s39) fizeram respectivamente o terceiro e o quarto melhores tempos da manhã. Por enquanto, entretanto, as demais vagas no revezamento são de Luiz Altamir Melo e Leonardo de Deus, pelos resultados do Open - 1min48s34 e 1min49s03, respectivamente.

OUTRAS PROVAS - Nos 100m peito, Jhennifer Conceição conseguiu caçar a liminar do Flamengo e caiu na piscina defendendo as cores do Pinheiros - acusado pelo Fla de aliciar a atleta. Em meio à disputa entre os dois gigantes da natação brasileira, ela completou a prova em 1min09s08 e ficou distante do índice olímpico, que é 1min07s85.

Mas Jhennifer segue como melhor brasileira da prova, o que garantiria a ela a convocação para o Rio-2016 para nadar o revezamento 4x100m medley. Aí, ela poderia ser inscrita também nos 100m peito, uma vez que tem o chamado "índice B" da Federação Internacional de Natação (Fina).

Por fim, nos 400m livre, Manuella Lyrio foi a mais rápida entre as brasileiras, com o tempo de 4min16s89, muito distante do melhor resultado dela e do índice olímpico, ambos na casa de 4min09s. A atleta do Minas Tênis Clube se poupou para buscar a qualificação na final.