22°
Máx
16°
Min

Thiago Pereira empata na final do Maria Lenk e se garante na Olimpíada

Que Thiago Pereira e Henrique Rodrigues estão no mesmo nível nos 200m medley não é segredo para ninguém. Mas talvez ninguém apostasse que eles empatassem na final do Troféu Maria Lenk, nesta terça-feira, no evento-teste da natação no Estádio Aquático Olímpico. Os dois bateram juntos em 1min57s91, depois de virarem também absolutamente juntos nos 150 metros.

O resultado deixa eles juntos no quarto lugar do ranking mundial, atrás dos japoneses Hagino (1min55s96) e Fujimori (1min57s57) e do norte-americano Michael Phelps (1min57s90), que ainda não nadou em temporada, no auge da forma. A seletiva dos EUA é só fim de junho. Ryan Lochte é o oitavo do mundo, com 1min58s43.

A partir de agora, Thiago Pereira está oficialmente garantido nos Jogos do Rio. Ele, que já havia feito o índice olímpico no Torneio Open, primeira seletiva nacional, em dezembro, em Palhoça (SC), ainda não havia se classificado para a Olimpíada. Nos 200m medley, vai tentar a quarta final olímpica seguida.

Thiago optou por não tentar a qualificação para os 400m medley, prova que o Brasil terá Brandonn Almeida no Rio-2016, e não conseguiu entrar no revezamento 4x200m livre. Na quarta, venceu os 200m peito, mas não fez índice - Tales Cerdeira e Thiago Simon vão aos Jogos. Ele ainda está inscrito para nadar os 100m borboleta na quarta-feira, tentando entrar no revezamento 4x100m medley, mas não está entre os favoritos.

SHOW - Larissa Oliveira está voando. Após bater o recorde sul-americano dos 200 metros livre no domingo, a nadadora do Pinheiros repetiu a dose nos 100m livre, nesta terça-feira. Venceu com 54s03 e baixou em 0s23 o antigo recorde, que havia sido estabelecido por Etiene Medeiros no Torneio Open.

Etiene completou a final do Maria Lenk em segundo, com 54s50. Como mais ninguém nadou abaixo do índice olímpico, que é 54s43, ela e Larissa serão as representantes do Brasil nos 100m livre no Rio-2016. Larissa, que fez a melhor marca, nada crawl no revezamento 4x100m medley, que ainda precisa se garantir oficialmente nos Jogos.

Já a equipe do revezamento 4x100m livre será composta por Larissa, Etiene, Daynara de Paula (55s02 nas eliminatórias e 55s22 na final do Maria Lenk) e Manuella Lyrio (55s26 na final). Todas terão amplo programa na Olimpíada.

Etiene também está nos 100m costas e tem índice para os 50m livre - a prova será disputada na quarta-feira no Maria Lenk. Manuella Lyrio e Larissa Oliveira estarão nos 200m livre e no 4x200m livre - Manu ainda pode ser inscrita nos 400m livre. Já Daynara nadará os 100m borboleta no mesmo dia que o 4x100m livre. Se o Brasil confirmar vaga no 4x100m medley, o time terá Daynara, Etiene e Larissa, além de Jhennifer Conceição, no nado peito.

OUTRAS PROVAS - Nos 200m costas, Leonardo de Deus venceu com 1min57s57 e ratificou o índice para o Rio-2016. Como só ele nadou abaixo da marca mínima necessária (1min58s22), será o único representante do País na prova. Guilherme Guido até tentou. Classificado para os 100m costas, ele passou a primeira metade forte demais e depois cansou. Ganhou a prata, com 1min59s34. O resultado de Leonardo de Deus deixa ele no 15.º lugar do ranking mundial. Está melhor nos 200m borboleta, em quinto.

Da outra prova do dia no Maria Lenk não se esperava nada. Para fazer o índice olímpico nos 200m peito feminino era necessário bater o recorde sul-americano. O melhor resultado brasileiro foi de Pamela Alencar, que nadou em 2min31s75. Nem quebrou a barreira do 2min30s, muito menos se aproximou do índice: 2min26s94.