21°
Máx
17°
Min

Algoz de Michel Borges, boxeador cubano fatura o ouro dos meio-pesados no Rio

(Foto: Divulgação/Aiba) - Algoz de Michel Borges, boxeador cubano fatura o ouro dos meio-pesados
(Foto: Divulgação/Aiba)

O vitorioso boxe cubano tem demonstrado na Olimpíada estar longe de seus melhores dias, mas ao menos uma medalha de ouro garantiu nos Jogos do Rio. Se ainda não havia subido ao lugar mais alto do pódio na modalidade, o país quebrou o tabu nesta quinta-feira, com o triunfo de Julio Cesar La Cruz nos meio-pesados, categoria para atletas até 81kg.

La Cruz faturou o ouro ao derrotar nesta quinta o casaque Adilbek Niyazymbetov na final, por decisão unânime dos três árbitros, que lhe deram 29 a 28 no combate. O cubano foi amplamente superior nos dois primeiros assaltos e convenceu os três juízes de que merecia a vitória por 10 a 9 em ambos. No terceiro, relaxou e perdeu pelo mesmo placar, mas ainda assim pôde comemorar o título.

Esta foi a 35.ª medalha de ouro de Cuba no boxe em Jogos. O país é o segundo mais vitorioso da modalidade na história olímpica, atrás somente dos Estados Unidos. No Rio, no entanto, havia somado somente três bronzes, com Joahnys Argilagos, Erislandy Savon e Lazaro Jorge Alvarez.

La Cruz venceu quatro combates para ficar com o ouro, todos por decisão unânime dos árbitros. Nesta trajetória, ele deixou para trás um brasileiro, Michel Borges, derrotado por ele nas quartas de final.

Mas a quinta também foi de outras medalhas na modalidade. No peso galo, o russo Vladimir Nikitin e o usbeque Murodjon Akhmadaliev perderam nas semifinais e ficaram com o bronze, mesmo resultado do mexicano Misael Uziel Rodriguez e do azerbaijano Kamran Shakhsuvarly no peso médio. Entre as mulheres, a chinesa Cancan Ren e a colombiana Ingrit Lorena Valência Victoria foram bronze no peso mosca.