22°
Máx
14°
Min

Aline perde de russa e dá adeus ao sonho da 1ª medalha olímpica do Brasil na luta

(Foto: Saulo Cruz/Exemplus/COB) - Aline perde de russa e dá adeus à medalha
(Foto: Saulo Cruz/Exemplus/COB)


Ainda não será desta vez que o Brasil vai ganhar sua primeira medalha na luta nos Jogos Olímpicos. Principal esperança, Aline Silva foi derrotada pela russa Ekaterina Bukina, na categoria até 75kg, e precisou torcer para que a rival chegasse à semifinal. A derrota da atleta da Rússia para Guzel Manyurova, do Casaquistão, entretanto, encerrou o sonho. A casaque perdia até 30 segundos para o fim da luta, quando conseguiu jogar a rival de costas no chão, ganhando o confronto.

Mais cedo, o duelo entre Aline e Bukina foi decidido nos detalhes, por pontos, por 4 a 3. A brasileira pontuou primeiro, jogando a rival no tapete. A russa respondeu no fim do primeiro round, com um golpe de quatro pontos. No segundo round, Aline parecia mais disposta a lutar, enquanto a russa deixava o tempo passar. Levou um golpe, foi punida por falta de combatividade, mas nada que alterasse o resultado final.

Aline ainda tinha a esperança de seguir na competição e, para isso, precisava que Bukina vencesse Manyurova, dona de duas medalhas olímpicas. Na luta, diferentemente do judô, a repescagem reúne todos os atletas eliminados pelos finalistas. Como a russa não avançou até lá, a brasileira ficou pelo caminho.

Mais cedo, Lais Nunes perdeu da turca Hafize Sahin, por 5 a 0, na sua estreia na categoria até 63kg. A turca caiu na luta seguinte, contra a russa, Inna Trazhukova, e se despediu da competição. Assim, Lais não volta para a repescagem e está eliminada. Na terça-feira, Gilda Oliveira e Joice Silva também foram eliminadas de forma precoce.

Desta forma, o Brasil encerra sua participação nas competições de luta do Rio-2016 com a sensação de que poderia ter feito muito mais. Joice vem de um inédito ouro em Jogos Pan-Americanos, enquanto Aline foi bronze no Mundial de 2014 e ficou em quinto no ano passado. Diferentemente de outras modalidades de combate, como tae kwon do e esgrima, na luta o Brasil classificou seus cinco representantes no Rio-2016 sem precisar de convites.