22°
Máx
17°
Min

Após crise com o Rio, COI altera critério para definir próxima sede olímpica

(Foto: Ricardo Stuckert) - Após crise com o Rio, COI altera critério para definir próxima sede
(Foto: Ricardo Stuckert)

A crise financeira nos Jogos Olímpicos do Rio levou o Comitê Olímpico Internacional (COI) a modificar os critérios pelos quais escolherá as sedes dos futuros eventos. O objetivo será o de voltar a criar uma simpatia da população local e não afastar cidades em países democráticos, hesitantes em receber um evento que representaria um déficit para os governos.

À reportagem do Estado, membros do COI, economistas e chefes das principais candidaturas para receber o evento no futuro apontaram que a crise na edição de 2016 foi a “confirmação” de que uma mudança no modelo da Olimpíada é urgente. Pela primeira vez em décadas, o COI realiza sua principal competição num país em recessão, num estado falido e com o comitê organizador com sérias dificuldades para financiar o evento.

Para a preparação do Rio-2016, os organizadores foram obrigados a enviar uma equipe para monitorar os trabalhos por meses, com intervenções diretas nos planos. Nem assim conseguiram blindar os Jogos de problemas e, segundo técnicos, a constatação foi de que o modelo está obsoleto. O plano, portanto, é de passar a adequar o evento à sede, não o contrário. Hoje, o COI sai do Brasil com uma renda recorde de R$ 18 bilhões, diante dos contratos assinados com multinacionais. Cerca de R$ 4,5 bilhões são repassados ao Rio. Mas, ainda assim, delegados insistem que esse descompasso precisa ser minimizado, sob o risco de criar uma aversão cada vez maior ao evento.

Antes mesmo do colapso econômico no Estado do Rio e das dificuldades dos organizadores, o COI havia começado a revisar o plano da Olimpíada após quase uma dezena de cidades anunciarem que iriam retirar suas candidaturas para futuros eventos. No mês passado, outro golpe veio com a eleição da nova prefeita de Roma, que alertou que estaria disposta a suspender a campanha da cidade para receber o evento em 2024.

Com a situação emergencial no Rio - com o corte de dezenas de serviços e a necessidade de suprimir gastos em quase R$ 1 bilhão -, o COI foi obrigado a acelerar sua transformação interna e a mudança de critérios.

“Estamos aprendendo muito com o Rio de Janeiro”, admitiu um dos membros mais influentes da entidade, Juan Antonio Samaranch Junior, filho do ex-presidente do COI, Juan Antonio Samaranch. “A ideia é a de ter um evento diferente no futuro.”

MUDANÇAS - Pelo novo modelo, todas as instalações esportivas devem continuar a seguir os padrões internacionais. Mas reformas, e não novas obras, serão as prioridades. O COI também pedirá que cidades montem estruturas provisórias. A entidade ainda buscará propostas de cidades que já contem com estruturas e onde pouca construção seja necessária. As infraestruturas de transporte, de hotéis e de aeroportos passarão também a ser revistas, com base nas necessidades das cidades, não do COI.

Se o Rio foi o auge da crise, outros exemplos são usados pelos delegados para reforçar a tese de que o modelo já está esgotado. Depois dos Jogos de Inverno de Lillehammer, por exemplo, 40% dos hotéis que haviam sido erguidos faliram anos depois. Simbólica é ainda a proposta de incluir esportes que possam atrair público local, com cada Olimpíada escolhendo duas modalidade. O Japão, por exemplo, escolheu caratê e beisebol, garantindo renda e interesse.

Para dirigentes, a realidade é que o Rio acelerou essa percepção de que o modelo de megaevento já não funciona e não se pode mais impor as exigências do COI às cidades. “O Rio precisa ser um alerta de que os Jogos não podem mais ser como antes”, disse o diretor executivo da Federação Internacional de Remo, Matt Smith.

Para as cidades que querem sediar os Jogos de 2024, o novo conceito já faz parte dos planos. À reportagem, o CEO da candidatura de Los Angeles, Gene Sykes, reconheceu que o COI já repassou aos americanos novas orientações do que poderá ser uma candidatura. “O COI entendeu que, se querem que o movimento olímpico sobreviva, terá de ser aceito pelas comunidades. Para isso, as cidades terão de usar os seus próprios recursos, sem fazer algo extravagante”, disse.

“Prometemos que não vamos construir nada permanente e teremos disciplina financeira”, disse. Nem mesmo a Vila dos Atletas será construída e os esportistas, em 2024, ficariam alojados numa universidade. “Podemos fazer um evento sem criar um estresse extra para nossa cidade”, explicou.

Mesmo em Tóquio-2020, 50% das instalações já existem. Depois de ver o orçamento se multiplicar, os organizadores foram obrigados a refazer os planos. O estádio olímpico originalmente pensado foi abandonado em favor de uma versão mais barata. Thomas Bach, presidente do COI, deixa claro que a questão dos novos critérios não significa apenas cortar gastos, mas mudar a forma de investimentos. “O que interessa não é quanto gasta, mas como gasta.”

“A questão é de que sejam Jogos que sirvam à cidade e nada seja feito porque o COI mandou. Por anos, percorremos cidades pelo mundo dizendo o que deveriam fazer. Não podemos mais fazer isso”, completou Mark Adams, diretor de comunicação do COI. Para o economista Muhamad Yunus, prêmio Nobel da Paz e convidado pelo COI para falar aos membros no Rio de Janeiro sobre os desafios da pobreza, os megaeventos precisam mudar para sobreviver.

“Um evento como esse causa um impacto muito maior a uma cidade de um país pobre que em um país rico”, afirmou. “Mas o COI precisa entender que precisa ajudar. É duro para a entidade, pois ela precisa treinar pessoas e não pode esperar que as coisas ocorram como elas ocorrem em países ricos. Em muitos casos, estamos falando de sociedades que não têm o mesmo nível de organização. Mas o impacto positivo pode ser muito maior”, disse. O primeiro teste do novo sistema já tem data para ocorrer: 13 de setembro de 2017, quando o movimento olímpico anunciará a escolha de sua nova sede para 2024 e, de quebra, seu próprio futuro.