22°
Máx
14°
Min

Após rejeição de prefeita, Roma vota na quinta se segue candidata a Jogos de 2024

(Foto: Paulo Pinto/ Fotos Públicas)  - Após rejeição de prefeita, Roma segue candidata a Jogos de 2024
(Foto: Paulo Pinto/ Fotos Públicas)

Depois de a prefeita de Roma, Virginia Raggi, ter rejeitado oficialmente a candidatura da cidade aos Jogos Olímpicos de 2024, a capital italiana definiu que a sua Câmara Municipal irá votar na próxima quinta-feira a continuidade ou não dos romanos na disputa para abrigar o grande evento que acontecerá daqui a oito anos.

Com a rejeição da prefeita, a tendência é a de que Roma realmente fique fora da corrida olímpica pelos Jogos de 2024, pois o movimento anti-establishment 5 Estrelas, com o qual ela foi eleita em junho passado, conta com maior número de integrantes na Câmara Municipal e deve apoiar Virginia Raggi nesta votação.

Primeira mulher a ser eleita prefeita de Roma, ela oficializou a sua rejeição à candidatura na última quarta-feira, em entrevista coletiva na qual ressaltou que seria uma "irresponsabilidade" a cidade seguir na luta para abrigar a Olimpíada, tendo em vista os altíssimos custos que demandam a realização do evento.

A prefeita deixou claro que precisa colocar como prioridade os problemas atuais da capital nacional e não se preocupar com uma candidatura que inevitavelmente iria comprometer os cofres públicos. Para ela, trata-se de uma candidatura que não é "sustentável" para a cidade.

Se a rejeição for aprovada na votação desta quinta-feira, apenas três cidades restariam como candidatas aos Jogos de 2024: Los Angeles, Paris e Budapeste. O Comitê Olímpico Internacional (COI) irá eleger a sede da competição em setembro do próximo ano.

Eleita com 67% dos votos no segundo turno da eleição realizada em junho, Raggi, de apenas 38 anos de idade, derrotou Roberto Giachetti, candidato do Partido Democrático, o mesmo do primeiro-ministro Matteo Renzi, que defende a candidatura da capital italiana aos Jogos de 2024.

E, caso a rejeição seja realmente aprovada, Roma irá abandonar a disputa para abrigar uma edição da Olimpíada pela segunda vez em apenas quatro anos. Em 2012, o então primeiro-ministro italiano, Mario Monti, acabou determinando a retirada da cidade da disputa para sediar os Jogos Olímpicos de 2020 também por razões financeiras.

Para que uma cidade seja mantida como candidata de uma edição da Olimpíada, o COI exige que a mesma tenha apoio da própria prefeitura da cidade, do governo do seu país e também do seu comitê olímpico. E, no início deste mês, Matteo Renzi afirmou que iria considerar um "erro, uma mudança muito triste" se a capital do país retirasse a sua candidatura aos Jogos de 2024.

Uma semana depois de Renzi se manifestar sobre o assunto, uma carta assinada por todos os medalhistas olímpicos da Itália nos Jogos do Rio, realizados em agosto, fez um apelo para que a prefeita de Roma não rejeitasse a candidatura da cidade. Entretanto, ela não se comoveu com os pedidos, depois de seu antecessor no cargo, Ignazio Marino, ter apresentado formalmente a candidatura da cidade ao COI no ano passado, após uma votação do conselho da cidade apontar apoio esmagador à mesma.