26°
Máx
19°
Min

Brasil admite que a Espanha é 'fantasma antigo' no handebol feminino

(Foto: Willian Lucas/ Inovafoto) - Brasil admite que a Espanha é 'fantasma antigo' no handebol feminino
(Foto: Willian Lucas/ Inovafoto)


A seleção brasileira feminina de handebol encarou, nesta quarta-feira, como sinal de aprendizado e alerta a primeira derrota nos Jogos do Rio, para a Espanha, por 29 a 24. Após a partida, as jogadoras falaram na zona mista que identificaram inúmeras falhas na atuação e alertaram para o antigo problema de enfrentar as adversárias. A equipe europeia foi a responsável, por exemplo, por eliminar o Brasil no Mundial de 2011, em São Paulo.

"Eu vejo que ainda temos o fantasma de 2011, quando perdemos a classificação nas quartas de final por apenas um gol. Temos essa dificuldade de jogar contra elas. Precisamos ter mais força mental", afirmou Dani Piedade. "Ainda tem o peso daquele Mundial. Está no nosso calo. Se pegar a Espanha de novo lá na frente, temos que mudar isso aí. Temos qualidade para jogar melhor", comentou. Na competição disputada no ginásio do Ibirapuera, o Brasil ganhou os seis primeiros jogos até levar de 27 a 26.

Antes de perder para a Espanha, nesta quarta, pela terceira rodada, o Brasil vinha de duas boas vitórias no Rio-2016. Na estreia bateu a bicampeã olímpica Noruega, depois derrotou a Romênia, algoz da eliminação no último Mundial, ano passado, na Dinamarca. Nesta quarta o ataque produziu pouco e durante toda a partida a equipe da casa ficou atrás das adversárias. Nos Jogos de Londres, em 2012, a Espanha fez boa campanha no torneio olímpico e terminou com a medalha de bronze.

Para a central Ana Paula, a derrota na primeira fase não compromete e, pelo contrário, será útil. "Quantas vezes a gente jogou, ganhamos todos os jogos da fase de grupos e no momento que tinha de ganhar, perdeu? Agora perdemos no momento que podia perder. Somos obrigadas a ganhar somente na etapa eliminatória. Vamos tirar aprendizado disso", comentou.

A armadora Dani Amorim criticou a atuação defensiva do Brasil. "Faltou concentração demais. Foi um dia que deu tudo errado. Ninguém estava em um dia bom. O maior aprendizado desse jogo é a defesa. Não se pode pecar ali, porque é onde mora a nossa confiança. Levamos muito gols", lamentou a jogadora, eleita a melhor do mundo em 2014.

A seleção brasileira volta à quadra da Arena do Futuro na sexta, contra Angola, também pela fase de grupos. Será o penúltimo jogo antes da definição dos classificados às quartas de final. Depois, o confronto será contra Montenegro.