24°
Máx
17°
Min

Canoísta iguaçuense se classifica para os Jogos Rio 2016

Foto: Assessoria de imprensa - Canoísta iguaçuense se classifica para os Jogos Rio 2016
Foto: Assessoria de imprensa

Atleta revelado pelo projeto social Meninos do Lago, Felipe Borges, de 22 anos, vai representar Foz do Iguaçu nos Jogos Olímpicos Rio 2016. Ele é o único iguaçuense classificado para a Olímpiada. O Meninos do Lago é uma parceria da Itaipu Binacional e Confederação Brasileira de Canoagem, com apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e General Electric (GE).

A conquista da vaga olímpica veio na Canoa Masculino Individual (C1) e foi confirmada nesta sexta-feira (17), na terceira etapa da Copa do Mundo de Canoagem Slalom, na França. Com bons resultados obtidos nas duas etapas anteriores, Felipe já tinha pontos suficientes para a classificação e precisava apenas entrar na água e cumprir tabela.

Da França, Felipe não escondeu a emoção. “Sempre foi um sonho conseguir uma vaga olímpica”, disse. “Só tenho a agradecer ao Projeto Meninos do Lago e à Itaipu, pelo apoio desde o início, e agora também ao BNDES e à GE por estarem conosco. É uma felicidade enorme representar Foz do Iguaçu nos Jogos.”

Felipe desembarca na semana que vem em Foz, onde está sendo preparada uma recepção para o atleta. No dia 30, ele desfilará com a tocha olímpica pela cidade.

Repercussão

O diretor-geral brasileiro da Itaipu, Jorge Samek, comemorou comentando a importância da socialização pelo esporte. “Quando fizemos essa parceria, não imaginávamos que seis anos depois nossa região estaria representada na Olimpíada, onde estão sempre os melhores do mundo. Saber que um filho da terra, criado nas barrancas dos rios Iguaçu e Paraná, estará lá é uma grande satisfação.”

Samek parabenizou todos os envolvidos na preparação do atleta. “Quero parabenizar todos os professores, a equipe da Canoagem Brasileira, todos seus colegas e os centenas de jovens do Projeto Meninos do Lago, que estão aprendendo e estudando. Que o exemplo do Felipe de superação seja inspirador para os demais atletas.”

Para o presidente da Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa), João Tomasini Schwertner, a conquista de Felipe Borges é uma comprovação de que investir no social por meio do esporte pode render atletas e jovens promissores. Tomasini reforçou outro caráter do projeto. “Não temos como foco somente formar atletas olímpicos, mas sim transformar a vida de jovens e crianças.”

Disputa acirrada

Entre todas as categorias da canoagem slalom, a disputa na C1 Masculino foi a mais acirrada. Felipe tinha um concorrente de peso, Leonardo Curcel, que tem uma trajetória de vida parecida com a de Felipe. Os dois têm a mesma idade, foram revelados pelo Meninos do Lago e há anos disputam o primeiro lugar nacional na categoria. Faltava definir a vaga mais importante. Enquanto Felipe garantiu sua participação nos jogos pan-americanos e uma medalha de bronze, Leonardo desbancou o conterrâneo e se classificou para o evento teste que aconteceu em novembro passado.

A boa performance de Charles Corrêa, de Piraju, interior de São Paulo, acirrou ainda mais a competição. Felipe foi melhor e garantiu vaga na seletiva nacional, em abril. Só que na primeira etapa da Copa do Mundo, em Ivrea, na Itália, cometeu alguns erros e viu Charles Corrêa colar na disputa pela vaga. Em La Seu d’Urgell, na Espanha, durante a segunda etapa da competição, Felipe conseguiu desbancar Leonardo e Charles. Com o bom resultado, precisava apenas garantir a participação na terceira etapa. “Eu vi de perto que poderia perder, mas voltei a ter foco total.” E deu certo.

De hiperativo a concentrado

Felipe sempre foi muito hiperativo na infância. A mãe do atleta, Isolde Borges, vislumbrou no esporte uma oportunidade para o filho gastar energia e ter mais concentração. Antes de se decidir pela atividade esportiva que o consagrou, Felipe tentou várias modalidades, como vôlei e xadrez, entre outras.

A primeira paixão foi o caiaque polo, uma prévia do que viria ser o Meninos do Lago. Na época, a atividade era praticada no antigo Caic do Morumbi, hoje Escola Municipal Irio Manganelli. “Foi neste projeto que nasceu o Meninos do Lago, ainda em 2009. Com a autorização do uso do Canal Itaipu para o esporte, começamos a trabalhar com a canoagem slalom”, relembra Argos Gonçalves Dias Rodrigues, superintendente da CBCa.

Das piscinas tranquilas para as corredeiras agitadas na usina, Felipe viu na canoagem slalom o desafio que se encaixava no seu perfil. O primeiro treinador, Antônio Alves dos Santos, lembra do antigo pupilo como um garoto esperto, de muita flexibilidade e foco. “Ele sempre chegava no horário, nunca deu trabalho”, comenta Toninho.

Consagração

Os resultados vieram em seguida. Em 2010, Felipe ganhou sua primeira competição, na segunda etapa da Copa Brasil, em Primavera do Leste (MT). Em 2015 veio a consagração profissional, com dois bronzes, um nos jogos pan-americanos, no Canadá, e outro no Mundial Sub-23, em Foz do Iguaçu.

Projeto de sucesso

Felipe Borges é um exemplo de sucesso de uma ação inovadora na Canoagem Brasileira, que alinha esporte, estudos e resultados. Pelo projeto social Meninos do Lago já passaram mais de 500 jovens carentes de Foz do Iguaçu. Ao longo do tempo, o projeto – que usa a estrutura do Canal Itaipu, dentro da usina, para treinar – se consagrou por revelar grandes talentos.

Para Valdecir Fernandes da Cruz, presidente da Federação Paranaense de Canoagem, o objetivo está sendo alcançado. Hoje, metade da equipe permanente de canoagem slalom é formada por ex-integrantes do Meninos do Lago. A Fepacan iniciou os trabalhos do projeto, que depois foi abraçado pela Confederação Brasileira de Canoagem, Itaipu, BNDES e GE.

Ana Sátila

A conquista de Felipe não foi a primeira comemorada em Foz do Iguaçu. No início do ano, a mineira Ana Sátila já havia garantido a vaga no K1 Feminino. Campeã mundial júnior em 2014, vice-campeã mundial Sub 23 em 2015, medalhista de ouro nos Jogos Pan-americanos 2015 e uma das favoritas ao pódio nos Jogos Olímpicos Rio 2016, a atleta é federada pelo Instituto Meninos do Lago (Imel).

A entidade foi fundada em 2011 para representar os atletas do projeto homônimo e canoístas de Foz do Iguaçu – inclusive os integrantes da seleção brasileira permanente, que tem sede na cidade – em competições nacionais e internacionais. O instituto se consolidou como a principal escola de canoagem slalom do Brasil e vem dominando o Ranking Nacional da Confederação Brasileira desde 2010. A exemplo do projeto, o Imel também tem o apoio da Itaipu.

Colaboração: Assessoria de imprensa