21°
Máx
17°
Min

Cuba fatura dois ouros no penúltimo dia do boxe na Olimpíada do Rio

(Foto: Rio 2016) - Cuba fatura dois ouros no penúltimo dia do boxe na Olimpíada do Rio
(Foto: Rio 2016)

Cuba mostrou neste sábado por que é uma das principais potências do boxe olímpico. Segundo país que mais conquistou medalhas na modalidade na história dos Jogos, somou mais duas de ouro à imensa coleção no penúltimo dia da Olimpíada do Rio. O feito coube a Robeisy Ramírez, no peso galo, e Arlen López, no peso médio.

O primeiro a subir ao lugar mais alto do pódio foi Robeisy. Campeão olímpico em Londres, há quatro anos, o cubano confirmou o favoritismo ao passar pelo norte-americano Shakur Stevenson por decisão dividida da arbitragem. Dois dos juízes consideraram vitória de Robeisy, contra um que viu triunfo de Stevenson.

Assim, Robeisy venceu sua quarta luta consecutiva e confirmou o ouro. Stevenson ficou com a prata. O norte-americano havia sido o algoz do brasileiro Robenilson de Jesus nas oitavas de final.

Já no peso médio, o campeão dos Jogos Pan-Americanos de Toronto, Arlen López, faturou seu primeiro ouro olímpico. Para isso, ele venceu o usbeque Bektemir Melikuziev por decisão unânime da arbitragem neste sábado.

Cuba chegou a 37 medalhas de ouro no boxe em Jogos. O país é o segundo mais vitorioso da modalidade na história olímpica, atrás somente dos Estados Unidos. No Rio, já havia ficado com um ouro, com Julio Cesar La Cruz, e três bronzes, com Joahnys Argilagos, Erislandy Savon e Lazaro Jorge Alvarez.

Ainda neste sábado, a Grã-Bretanha faturou a outra medalha de ouro do dia no boxe. Nicola Adams ficou com o título do peso mosca para mulheres depois de derrotar a francesa Sarah Ourahmoune por decisão unânime da arbitragem.