27°
Máx
13°
Min

Em meio a crise financeira do Rio-2016, COI anuncia renda recorde

(Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil) - Em meio a crise financeira do Rio-2016, COI anuncia renda recorde
(Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil)


Apesar de os Jogos do Rio estarem com sérios problemas financeiros e o País viver uma recessão, o Comitê Olímpico Internacional nunca esteve tão bilionário como hoje. Dados financeiros apresentados nesta terça-feira pelo Congresso do COI apontaram que desde 2013 até o fim de 2016, a renda deve chegar a US$ 5,6 bilhões, um volume recorde.

"As finanças estão fortes e sólidas", disse Ser Miang, o responsável pelo setor financeiro da entidade olímpica. "Devemos chegar a US$ 5,6 bilhões até o final do ano", indicou. Por conta dos patrocinadores que focam seus pagamentos a cada Olimpíada e por conta da renda de ingressos dos Jogos, a contabilidade do COI é baseada em períodos de quatro anos.

Os valores para 2016 ainda não foram incluídos na avaliação. Mas o que foi obtido entre 2013 e 2015 revela que a renda deve superar Pequim-2008 e Londres-2012. Hoje, em ativos, o COI acumula ainda US$ 3,9 bilhões, um salto de 22% em comparação ao período passado até os Jogos de Londres, entre 2009 e 2012. Neste período, os ativos aumentaram em quase US$ 1 bilhão.

De forma pontual, o COI indicou que apenas em 2015, a renda foi de US$ 143 milhões com contratos de patrocinadores. Mas, diante dos gastos com Olimpíada e a operação da entidade, o ano terminou com um déficit de US$ 325 milhões. "Isso é normal, já que o valor será mais que compensado quando entrarem os recursos dos Jogos de 2016", explicou Miang.

Em um ano, em salários e gastos operacionais, o COI gastou US$ 155 milhões. Mas a entidade garante que distribuiu US$ 292 milhões para projetos esportivos pelo mundo.

Um fundo de reservas ainda conta com US$ 878 milhões, um pouco abaixo do que foi registrado em 2013 e 2014. Parte do problema seria a variação cambial entre o franco suíço e o dólar.

Apesar da renda recorde, o COI garante que irá distribuir 90% do que irá receber neste período até o final de 2016 para entidades esportivas pelo mundo.

Nos últimos dias, o COI indicou que poderia antecipar parte dos pagamentos que faria para a organização da Olimpíada do Rio, numa tentativa de ajudar os organizadores brasileiros a cobrir problemas de caixa.