28°
Máx
17°
Min

'Eu não faria nada diferente, fiz tudo que podia', diz Thiago Pereira

(Foto: Divulgação)  - 'Eu não faria nada diferente, fiz tudo que podia', diz Thiago Pereira
(Foto: Divulgação)

Thiago Pereira apostou alto na Olimpíada do Rio de Janeiro. Preocupado com o desgaste físico das seguidas provas de natação que enfrentou nas últimas edições dos Jogos, ele decidiu concentrar toda sua energia em apenas uma prova, a dos 200 metros medley. E, na final da disputa, na noite desta quinta-feira, ficou somente na 7ª colocação.

Após ter frustrado o sonho de subir ao pódio diante da torcida, Pereira evitou lamentar o resultado. "Eu não faria nada diferente. Tudo o que fiz neste ano eu faria de novo. Tem coisa que não é pra ser. Tentei meu máximo, fiz tudo que podia", comentou, lembrando que um grande rival, o norte-americano Ryan Lochte, também ficou fora do pódio - foi o 5º.

Mais do que ficar sem medalha, o atleta percebeu que deixou passar uma grande oportunidade, até porque já marcou tempos que lhe dariam uma medalha. "Qualquer um, assim como eu, sonhava em sair daqui com um resultado muito melhor. É duro você olhar para o placar e ver que o suficiente para a medalha era algo que você já fez várias vezes. Se você for ver, dos últimos três Jogos Olímpicos, foi um dos pódios mais fracos", lamentou Thiago.

O brasileiro anotou o tempo de 1min58s02 no Rio de Janeiro. Para efeito de comparação, em Londres, há quatro anos, ele foi o quarto colocado com 1min56s74. Se tivesse repetido a marca nesta quinta, teria conquistado a medalha de bronze, uma vez que o chinês Shun Wang ficou em terceiro com 1min57s05.

Questionado sobre o futuro, Pereira evitou projetar uma possível participação nos Jogos de Tóquio-2020. Daqui a quatro anos, ele não teria a concorrência do norte-americano Michael Phelps, tetracampeão desta prova, nesta quinta.

"É difícil falar agora. Como eu sempre fiz, encerro um ciclo de quatro anos. Quero um descanso, sou humano também. Vamos ver depois que eu voltar onde vou fazer minha preparação, onde vão ser meus próximos anos. Tem muita coisa a ser conversada. Não sei, é difícil falar de 2020. São quatro anos a partir de agora, mas não descarto."

O brasileiro também comentou sobre seu último duelo com Phelps nas piscinas. "Competir com ele tem sido maravilhoso todos esses anos. Não só o Phelps, mas o Laslo [Cech] e o Ryan [Lochte] também. Eles fizeram eu ser melhor competidor e é uma honra para mim ter feito parte desta geração."

Ao vencer os 200 metros medley, Phelps conquistou sua quarta medalha de ouro no Rio de Janeiro. Agora ele soma 26 medalhas olímpicas no total, sendo 22 douradas. E a conta ainda pode ser ampliada porque ele vai nadar a final dos 100 metros medley, prova que se classificou pouco tempo depois de subir ao pódio, e deve ajudar a equipe no revezamento 4x100m medley.