27°
Máx
13°
Min

Evandro e Pedro Solberg prometem reação após 2ª derrota no vôlei de praia

Os brasileiros não têm mais chances de garantir o primeiro lugar do Grupo D (Foto: Divulgação/ Reuters) - Evandro e Pedro Solberg prometem reação após 2ª derrota
Os brasileiros não têm mais chances de garantir o primeiro lugar do Grupo D (Foto: Divulgação/ Reuters)

A vida de Evandro e Pedro Solberg se complicou na disputa do vôlei de praia nos Jogos do Rio depois da segunda derrota, dessa vez para os canadenses Schalk e Saxton por 2 sets a 1, nesta terça-feira. Os brasileiros não têm mais chances de garantir o primeiro lugar do Grupo D, mas ainda acreditam que podem brigar por uma medalha, ainda mais que a classificação da chave está embolada.

Pedro e Evandro ainda podem brigar pelo terceiro lugar e até avançaram direto para as oitavas de final. Pelas regras do torneio da Olimpíada os dois melhores terceiros colocados dos seis grupos seguem na competição. O fato de terem levado seus dois jogos para o tie-break é positivo. Em último caso os dois ainda podem disputar a repescagem. Resumindo, a situação dos brasileiros é difícil, mas ainda está indefinida.

"Meu time com o Evandro tem um histórico de se levantar em várias situações impossíveis, então acredito muito ainda. É como se o playoff (mata-mata) tivesse começado uma rodada antes. Tem que ir pro jogo contra a Letônia com tudo porque a gente ainda tem chance. É isso: ganhou tá dentro, perdeu tá fora", disse Pedro Solberg.

O Grupo D é considerado o "grupo da morte" do vôlei de praia. Além das duplas do Brasil e do Canadá, ele é formado pelos cubanos Diaz e Gonzalez e por Samoilovs e Smedins, da Letônia. Próximos adversários do Brasil os letões formam uma das duplas mais fortes do Circuito Mundial, tendo faturado o Grand Slam de Olsztyn (Polônia), em junho, e também o Open de Antalya (Turquia), em maio.

Os canadenses fazem boa temporada e ficaram com o bronze no Major de Porec (Croácia). Já os cubanos não disputam o Circuito Mundial, mas ficaram com o bronze no Pan de Toronto, no Canadá, no ano passado. Os cariocas levaram o bronze no Mundial do ano passado, na Holanda, e foram campeões do Major de Gstaad no Circuito Mundial.

Sem lamentar o sorteio da chave, Evandro avalia que o vôlei de praia masculino é bastante equilibrado. Apesar de admitir que os resultados até preocupam e tornam mais difícil uma classificação, o jogador diz que a dupla deve pensar em cada jogo. "Se ficar pensando em medalha, medalha, vai tomar ferro no jogo. Tem que pensar um jogo de cada vez", afirmou.