20°
Máx
14°
Min

Giovane Gávio será primeiro brasileiro a carregar tocha olímpica do Rio-2016

O Comitê Olímpico Helênico (HOC, na sigla em inglês) anunciou oficialmente, nesta segunda-feira, que Giovane Gávio será o primeiro brasileiro a carregar a tocha olímpica dos Jogos do Rio-2016. Bicampeão olímpico com a seleção de vôlei, com as medalhas de ouro obtidas em Barcelona-1992 e Atenas-2004, o ex-jogador de 45 anos de idade participará da cerimônia de acendimento da tocha no próximo dia 21, na cidade grega de Olímpia.

O evento dará início ao tradicional revezamento da tocha olímpica, que percorrerá cerca de 300 cidades até chegar à capital fluminense no dia da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos, que serão realizados entre 5 e 21 de agosto.

Na nota publicada em seu site oficial, a HOC também informou que Giovane será a segunda pessoa a participar do revezamento da tocha, sendo que o primeiro a carregá-la será o ginasta grego Lefteris Petrounias, atual campeão mundial na prova das argolas. Sendo assim, ele abrirá oficialmente o revezamento, depois de pegar das mãos da atriz grega Katerina Lehou a chama dos Jogos Olímpicos.

Vinte anos mais jovem do que Giovane, Petrounias, além de ter sido campeão mundial nas argolas no Mundial de Glasgow, na Escócia, conquistou no ano passado o ouro no Campeonato Europeu, em Montpellier, e também foi ao topo do pódio da primeira edição dos Jogos Europeus, em Baku. Ele já garantiu classificação ao Rio-2016.

Hoje gerente de competição para o vôlei no Comitê Organizador do Rio-2016, Giovane, por sua vez, será coroado com este momento histórico para a sua vida ao ter reconhecida uma carreira altamente vitoriosa na modalidade. Além de faturar dois ouros olímpicos, ele foi campeão mundial em 2002, ganhou quatro vezes a Liga Mundial, em 1993, 2001, 2003 e 2004, entre outros vários títulos que acumulou.

Na última sexta-feira, o HOC também revelou que a presidente da República, Dilma Rousseff, cancelou viagem que faria até a Grécia para participar desta cerimônia de acendimento da tocha olímpica. "A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, cancelou sua presença no evento, de acordo com informação fornecida ao Comitê Olímpico Helênico pela Embaixada do Brasil em Atenas", informou.

Inicialmente, estava prevista a presença de Dilma no evento que também contará com o presidente grego Prokopis Pavlopoulos e com o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, mas a presidente, ao que parece, optou por cancelar a sua participação em meio à tramitação do processo de impeachment no Congresso Nacional.