22°
Máx
17°
Min

Handebol feminino se preocupa com estreia, mas fala em 'dar troco' na Noruega

(Foto: Divulgação)  - Handebol feminino se preocupa, mas fala em 'dar troco' na Noruega
(Foto: Divulgação)

Perder logo na estreia sábado contra a campeã olímpica Noruega seria péssimo no aspecto psicológico para as jogadoras da seleção brasileira feminina de handebol, ainda ressentidas da eliminação em Londres-2012 justamente para o primeiro adversário nestes Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Mas a hipótese é levada em conta pelo treinador, o dinamarquês Morten Soubak.

Em entrevista após o treino de reconhecimento da Arena do Futuro, no Parque Olímpico, o técnico disse que o importante é chegar entre os quatro semifinalistas, para então decidir quem estará na final e quem vai faturar a medalha de ouro. Mesmo que haja derrotas no meio do caminho.

"Temos que realmente pensar ser possível perder. Mas vamos fazer tudo para tentar ganhar da Noruega na estreia. E se acontecer de perder o jogo... Teremos que levantar logo para o próximo jogo. O que importa é estar entre os quatro primeiros. Este tem que ser o foco, independente de perder o primeiro (jogo)", disse Soubak, que comandou um treino em que as atletas corriam pela quadra com vendas nos olhos.

Segundo ele, este tipo de treino não tem motivação técnica e tática. Basicamente, é um trabalho de mentalização, planejado pela equipe de psicólogas que apoia a comissão técnica do handebol feminino.

Embora citada pelo técnico, a derrota não é cogitada pelas jogadores. Samira Rocha, de 27 anos, ainda está com Londres, sua estreia olímpica, na memória. Radicada no handebol húngaro, contou estar ansiosa com a proximidade da estreia e que se prepara com uma espécie de mantra: "Cada jogo é um jogo".

Para a goleira Mayssa Pessoa, de 31 anos, o "primeiro jogo vai ser bem difícil, porque a gente sabe como elas jogam e elas sabem como a gente joga". Em sua segunda Olimpíada, ela é mais direta que Samira. "Tem que ter um troco agora", afirmou.

Destaque da seleção, a armadora Duda Amorim, que vai para a terceira Olimpíada, declarou considerar que, em relação a Londres, o seleção brasileira está "um pouquinho melhor", pois desta vez "a gente treinou bem mais".

"(Evolução) Mental mesmo. A gente é mais madura dentro de quadra. Já sabemos mais ou menos o que esperar desta Olimpíada. Acredito que a torcida mais ajuda do que pressiona. É muito energia. Tem que usar isso a nosso favor", afirmou ela, que, aos 29 anos, disputará sua terceira Olimpíada.

A seleção brasileira vem em ascensão desde Londres-2012, quando ficou na sexta colocação. Em 2013, conquistou pela primeira vez o Mundial, derrotando a Sérvia na final. Diante da torcida, a expectativa no grupo é que possa ir bem além disso nos Jogos do Rio.