22°
Máx
14°
Min

Judoca da Bélgica, Mourad Laachraoui supera drama de ter um irmão terrorista

(Foto: Divulgação)  - Judoca Mourad Laachraoui supera drama de ter um irmão terrorista
(Foto: Divulgação)

Na manhã do dia 22 de março deste ano, a Europa sentiu pela primeira vez que seu sistema de transporte jamais seria o mesmo. Terroristas haviam atacado o aeroporto de Bruxelas, na Bélgica, deixando 35 mortos e mais de 300 feridos.

O belga, filho de imigrantes marroquinos, Mourad Laachraoui não estava longe dali. Quando ficou sabendo do ataque, não deixou de se impressionar, como todos os demais moradores da cidade. Mas seu plano era o de ter um dia “normal” e chegou a ligar para seu treinador combinando que iria treinar à tarde. Além de estudante, ele é um dos principais atletas de tae kwon do do país.

Horas depois, um choque ainda maior. Em uma coletiva de imprensa, a polícia belga anunciou que um dos quatro terroristas era Najim Laachraoui, seu irmão. Os dois cresceram juntos no subúrbio de Schaerbeek, ao lado de outros dois irmãos. Seus pais, do Marrocos, não queriam os filhos vagando pelas ruas depois da escola e decidiram colocá-los em uma das academias de esporte da região. Mourad e o irmão escolheram o tae kwon do e os pais aprovaram por uma só razão: na luta, o que vale é agir com integridade e combater de forma justa.

Para vários garotos do bairro, a estratégia funcionou. Mas não no caso de Najim. Em 2013, ele fugiu de casa e foi para a Síria, levado por um recrutador do Estado Islâmico. Dois dias depois, seu pai foi até a polícia para alertar as autoridades. Alguns meses depois, as autoridades emitiram um pedido de prisão internacional contra Najim.

Mas ele conseguiu escapar de todos os controles e voltou em 2015 para a Europa. Ao lado de outros terroristas, alugou uma casa e, dali, planejaram ataques em Paris e em Bruxelas. Mas o irmão esportista nunca mais ouviu falar de Najim e sequer foi informado de seu retorno para a Europa.

Enquanto Najim planejava ataques, Mourad percorria o mundo competindo e colecionando vitórias. Ele ganhou o Aberto dos Estados Unidos e estava entre os pré-selecionados para os Jogos do Rio. Desde os ataques no final de março, porém, seu desempenho caiu e o atleta acabou ficando de fora da equipe olímpica.

Ainda assim, ele fará parte da delegação. Ao jornal O Estado de S.Paulo, o Comitê Olímpico Belga confirmou que o atleta desembarca no próximo dia 12. “Ele não vai competir. Mas será o sparring dos nossos atletas”, disse a entidade. Segundo o porta-voz do grupo, Luc Rampaer, Mourad ficou muito afetado pelo acontecimento em Bruxelas. “Não sei como ele vai lidar com isso. É algo que o impactou muito e ele, obviamente, condena o que o irmão fez. Ele apenas quer seguir com sua vida”, disse.

Autoridades chegaram a sugerir que a família mudasse de nome para manter a privacidade. Mourad se recusou.