24°
Máx
17°
Min

Lucão vira dúvida na seleção e Bernardinho lamenta: 'Estamos no limite'

(Foto: Willian Lucas/ Inovafoto) - Lucão vira dúvida e Bernardinho lamenta: 'Estamos no limite'
(Foto: Willian Lucas/ Inovafoto)

Já com um desfalque no time titular, o jogador central Maurício Souza, com uma lesão na coxa, o técnico Bernardinho demonstrou preocupação com a possibilidade de uma nova baixa na seleção masculina de vôlei do Brasil nesta Olimpíada. O meia Lucão sentiu dores no joelho direito e é dúvida para a próxima partida, contra o Canadá, na terça-feira.

"Estamos no limite da nossa condição", indicou Bernardinho, após o jogo. Lucão fará exames antes de definir se voltará a treinar com a equipe para a partida. "Não tem uma Olimpíada que tenha passado sem perder um atleta. Não existe drama de nenhum tipo, dificuldades existem. Se não tiver um central, vou improvisar alguém. Você não vai me ver chorando", completou o treinador.

Bernardinho descartou a presença do central Maurício Souza na partida contra o Canadá. Segundo ele, o atleta só deve retornar à equipe na quarta partida, contra a França, no dia 15. A comissão técnica cogitou cortar o jogador e substituí-lo na véspera da abertura dos Jogos, na quinta-feira, quando Maurício sentiu a lesão na coxa. A avaliação, no entanto, foi para preservar o jogador.

Já Lucão disse ter sentido uma "fisgada no tendão" do joelho direito após um saque durante a partida. "Vamos analisar para ver o que é, mas a gente espera que seja só a boa e velha tendinite dando uma reclamada", minimizou Lucão, na saída da partida. Ele caiu sobre a perna direita após o saque, mas continuou na partida. "Fazia tempo que não incomodava. Joelho de atleta sempre dói. Dói para pisar, rodar, para fazer tudo. Mas é normal. Atleta convive com dor. Temos que fazer exame e tratar", completou.

O saque foi um dos fundamentos mais criticados pelo técnico Bernardinho na atuação da seleção neste domingo. "O saque não entrou consistentemente durante a partida, e isso é uma arma importante no vôlei hoje. Saque não ter entrado facilitou o sistema ofensivo do México. Até nos adaptarmos a ele, não conseguimos acertar bloqueio", completou o técnico.

No primeiro set, o Brasil perdeu contra o México, equipe considerada a mais fraca do grupo, que tem ainda Canadá, França e Itália. Bernardinho disse que o "ponto positivo" da partida foi que o time soube reagir a partir do segundo set. "O time não entrou numa espiral de tensão e soube jogar melhor no segundo set. O importante é a vitória na estreia, não foi a estreia brilhante que alguns esperavam e nós queríamos", completou.

O levantador da partida, Bruninho, afirmou que o time se surpreendeu com a velocidade em quadra da equipe do México. As duas seleções têm poucos confrontos no histórico. "Foi um desafio importante por que não tínhamos jogado contra ele primeiro. Nos surpreendemos com a velocidade do time mexicano, nossa defesa não funcionou. Mas tivemos um crescimento no jogo e conseguimos ganhar", ressaltou.