26°
Máx
19°
Min

Maik salva e handebol brasileiro comemora ponto conquistado com atuação ruim

(Foto: Rio 2016) - Maik salva e handebol brasileiro comemora ponto conquistado
(Foto: Rio 2016)

Depois de Bárbara, no futebol feminino, neste sábado foi a vez de o goleiro Maik ser o herói do Brasil, desta vez no handebol masculino. Veterano da equipe aos 35 anos, ele salvou a equipe nacional de uma derrota para o Egito ao defender um tiro de 7 metros, o pênalti do handebol, a apenas 16 segundos do fim da partida.

O empate por 27 a 27 acabou tendo gosto de vitória para o Brasil, uma vez que a equipe da casa não ficou à frente do placar em nenhum momento durante os 60 minutos de confronto. O Egito teve vantagem entre dois e três gols praticamente o tempo todo e só nos minutos finais é que, empurrada pela torcida, a seleção conseguiu encostar.

"Me passa um filme na cabeça. Quanto você luta para chegar num momento como esse. Ser importante para a equipe, para a seleção e para o handebol brasileiro. Estou contente, mas também triste por causa do jogo", comentou Maik, que fez questão de vibrar com a torcida em cada uma das defesas que fez na partida. "Considero ser goleiro uma missão muito difícil. Realizar uma defesa é muito difícil. Valorizo ao máximo esse momento. Jogando em casa a torcida é fundamental para nos motivar."

Ele, entretanto, minimizou o peso de sua atuação em mais esse resultado da seleção. "Acho que ninguém ganha nada sozinho. Dependo da minha defesa. Dependo dos meus companheiros que façam gol para que ocorra o empate. Nem todos os atletas vão jogar bem um jogo."

Com problemas para superar a defesa do Egito, que Thiagus considerou como "louca" como a do Brasil, o time nacional teve uma atuação ofensiva ruim, que não agradou ao treinador do time. "Está claro que não atacamos bem. Hoje (sábado) tivemos uma cara diferente do que apresentamos contra a Alemanha. Não estou contente com o time. Eles estiveram muito ansiosos, precipitaram muitas bolas. Temos que corrigir se quisermos sonhar com o que estávamos sonhando", analisou o técnico Jordi Ribera.

Com cinco pontos (ganhou de Alemanha e da Polônia, mas perdeu da Eslovênia), o time brasileiro saiu da quadra comemorando o resultado, com a sensação de que está classificado às quartas de final. A vaga ainda não foi garantida matematicamente, o que pode ocorrer após o confronto Suécia x Polônia, marcado para começar às 19h50 deste sábado, mas é muito improvável que ela não venha. Na última rodada, o duelo será contra a Suécia, lanterna do grupo, na segunda-feira.