21°
Máx
17°
Min

Mascote dos Jogos Olímpicos do Rio, Vinícius ganha nova função na luta olímpica

(Foto: Divulgação)  - Mascote dos Jogos Olímpicos do Rio, Vinícius ganha nova função
(Foto: Divulgação)

Vinicius chegou com a missão de “contagiar o mundo com a sua alegria e celebrar a amizade entre os povos” nos Jogos Olímpicos do Rio. Mas sua função na Arena Carioca 2 é bem diferente. É que a versão de pelúcia do mascote oficial da Olimpíada é o objeto utilizado por técnicos para solicitar aos árbitros uma revisão por vídeo de um golpe.

Pelas regras da luta olímpica - que a confederação brasileira quer que seja chamada de wrestling, para não confundir com as lutas combinadas famosas no México -, um objeto macio deve ser jogado ao tapete quando um técnico contestar a marcação da arbitragem.

Historicamente, esse objeto é um dado de espuma nas cores dos macacões dos atletas - vermelho e azul. No Campeonato Europeu de 2014, entretanto, eles foram substituídos por personagens do jogo para celular Angry Birds, desenvolvido na Finlândia, onde aconteceu a disputa.

A ideia inspirou Gilles Toloni, líder de competição de luta no Comitê Rio-2016, que quis aplicá-la no Brasil e adotou o mascote dos Jogos. Para diferenciar as apelações dos rivais, Vinicius, que não usa “roupa”, ganhou camisetas nas cores vermelha e azul. A boneco fica sobre o tapete, em frente à cadeira dos técnicos. Outro mascote de pelúcia fica sobre a mesa dos árbitros laterais, que fazem a avaliação dos vídeos.

Na sessão que decidiu as medalhas desta quinta-feira, os bonecos não foram utilizados. Os três Vinicius ficaram o tempo todo com a cara no tapete. Não viram um dos momentos mais marcantes da história da modalidade: a derrota da japonesa Saori Yoshida para a norte-americana Helen Louise Maroulis na final da categoria até 55 kg da luta livre feminina.

Ela buscava repetir a compatriota Kaori Icho, que ganhou na categoria até 58 kg anteontem e se tornou a primeira mulher quatro vezes campeã olímpica em prova individual. Perderam ainda a festa de Risako Kawai, outra japonesa, que comemorou o ouro na categoria até 63 kg jogando o técnico no chão.