22°
Máx
14°
Min

Ministro da Justiça admite que 'erro de escala' causou filas em eventos olímpicos

(Foto: EBC) - Ministro da Justiça admite que 'erro de escala' causou filas
(Foto: EBC)

O ministro da Justiça e da Cidadania, Alexandre de Moraes, admitiu que um "erro de escala" gerou filas na entrada de algumas competições dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, na manhã deste sábado. No início da tarde, o ministro disse que teria uma reunião sobre o assunto, para que atrasos não voltem a ocorrer.

"Tivemos um problema logo pela manhã. Tenho uma reunião com toda a equipe daqui para verificar o que ocorreu em relação à escala. Houve algum erro de escala, que logo depois foi corrigido, mas deu um desconforto, que não vai voltar a se repetir. O que vamos ter durante toda a Olimpíada é muita gente, muita segurança e muita tranquilidade", afirmou Moraes, em entrevista ao canal por assinatura GloboNews, no Parque Olímpico, onde estava para fazer uma vistoria dos trabalhos.

Moraes aproveitou a entrevista para elogiar o trabalho das forças de segurança, o reforço do policiamento por causa de ameaças de terrorismo e o trabalho da Força Nacional. "O trabalho está muito bom, até porque esses 3,4 mil policiais inativos que trouxemos - 2 mil de São Paulo, mil do Rio e 400 de outros Estados - já têm experiência nisso e estão realizando o trabalho de forma tranquila", disse Moraes.

O ministro informou ainda que pedirá reforço no trabalho de voluntários para organizar as filas. "O que precisamos mesmo são mais voluntários para organizar as filas e voluntários que falem uma outra língua, principalmente o inglês, porque em alguns casos a fila começa a atrasar porque a pessoa não consegue saber o que ela tem de tirar para passar no raio X", disse.

Para Moraes, o esquema de segurança da cerimônia de abertura, que ocorreu na noite de sexta-feira, no Maracanã, foi "tranquilo", incluindo a proteção aos chefes de Estado presentes. "Tivemos para cada um dos chefes de Estado segurança até (a sede do) Itamaraty. Do Itamaraty, o comboio foi em conjunto, também com segurança e batedores, com tranquilidade", afirmou Moraes.

Segundo o ministro, apenas dois casos "diferenciados" receberam tratamento especial, com maior segurança: o deslocamento do presidente da França, François Hollande, e do secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry. "Também em relação a eles houve tranquilidade total", disse Moraes.

O ministro também disse que a probabilidade de ocorrer um atentado terrorista continua "mínima". "Continuamos no mesmo patamar de probabilidade mínima", afirmou.

Moraes lembrou que 250 policiais de inteligência de 55 países estão trocando informações num centro de cooperação desde terça-feira, no Rio. "Obviamente, a possibilidade (de um atentado) existe no mundo todo, mas a probabilidade no Brasil é muito baixa, beira a zero. Estamos trabalhando 24 horas por dia para garantir total segurança para que todos possam vir torcer para o Brasil", afirmou Moraes.