22°
Máx
14°
Min

No Rio, Hollande pede apoio para candidatura de Paris aos Jogos Olímpicos de 2024

Foto: AFP - Hollande pede apoio para candidatura de Paris aos Jogos de 2024
Foto: AFP

Em um café da manhã no Hotel Sofitel, em Copacabana, onde está hospedado, o presidente da França, François Hollande, pediu apoio dos brasileiros à candidatura de Paris a sede dos Jogos Olímpicos de 2024. No Rio para a abertura da Olimpíada, sexta-feira, no Maracanã, ele se encontrou com esportistas, artistas e empresários, em evento que durou cerca de uma hora, na manhã desta quinta-feira.

Na recepção, ele condecorou o ex-jogador Paulo Cezar Caju, ídolo do futebol na França, cavaleiro da Ordem Nacional da Legião de Honra, distinção instituída por Napoleão Bonaparte em 1802 e que representa a ordem máxima do país. O ex-jogador, da seleção tricampeã mundial, jogou no Olympique de Marselha nos anos 1970 e foi laureado por seu papel como ativista contra o racismo no futebol.

Por razões de segurança, a cerimônia foi mantida em sigilo tanto pela Embaixada da França, em Brasília, quanto pelo consulado no Rio. Procurado pela reportagem na última quarta, Caju tampouco quis comentar o assunto. Estavam presentes o velejador Lars Grael, os ex-jogadores Carlos Alberto Torres, Cláudio Adão e Jairzinho, o produtor de cinema Luiz Carlos Barreto, a atriz Maitê Proença, o presidente da Federação das Indústrias do Rio, Eduardo Eugenio Gouveia Vieira, entre outros convidados da diplomacia francesa.

O presidente chegou ao Rio por volta das 6h30 desta quinta-feira e recebeu os convidados do café da manhã, pontualmente, às 9 horas. Na saída do hotel, às 10h30, Hollande acenou para os fotógrafos que estavam na calçada do Sofitel. Ele almoça na Casa da França no Rio, montada para os jogos na Sociedade Hípica Brasileira, na Lagoa.

"Foi bem informal, uma homenagem ao primeiro jogador do Brasil a jogar na França, abrindo o caminho para tantos outros", disse Lars Grael, na saída. "Os franceses estão no Rio para a candidatura e para sentir o clima olímpico, e pediram nosso apoio", declarou Eduardo Eugenio.

Desde cedo, dois helicópteros sobrevoavam o fim da praia de Copacabana, onde se localiza o hotel. Hollande é o mais importante chefe de Estado no Rio para a Olimpíada, o que deve demandar um dos maiores esquemas de segurança, em decorrência dos recentes ataques terroristas em seu país. Além dele, também estará na cidade para a cerimônia de abertura o secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, que irá representar o presidente Barack Obama. Estão previstas ainda as presenças do presidente da Argentina, Mauricio Macri, e do de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa. Quarenta e cinco líderes de nações devem estar presentes, nas contas do Ministério do Esporte e do Itamaraty.

Os líderes estarão na recepção que será oferecida pelo presidente em exercício, Michel Temer, no Palácio do Itamaraty, no centro do Rio, às 17 horas de sexta-feira. De lá, todos seguirão para o Maracanã, onde a festa começa às 20 horas e termina às 23h30.