23°
Máx
12°
Min

Primeira negra a ser campeã olímpica na natação exalta peso histórico do feito

Foto: Divulgação  - Primeira negra a ser campeã olímpica na natação exalta peso histórico
Foto: Divulgação

O empate com direito a recorde olímpico entre a norte-americana Simone Manuel e a canadense Penny Oleksiak tem um significado histórico que vai muito além de uma rara igualdade no alto do pódio. Com o ouro, Simone se tornou a primeira mulher negra a vencer uma prova olímpica na natação.

A nadadora afirmou que chorou muito após a conquista, e dedicou a vitória a ídolos negros do passado. "Significa muito para mim, mas essa medalha não é só minha. É de muitos afrodescendentes americanos que vieram antes de mim e me inspiraram, como Cullen Jones e Maritza Correia, pra citar apenas dois. Espero que eu também inspire muitos no futuro", afirmou.

A atleta acha que seu pódio pode servir de exemplo para que a discriminação racial mude em seu país. "Eu acho que essa medalha representa muito nesse momento, com alguns problemas de brutalidade policial que têm acontecido. Essa vitória ajuda a trazer momentos de esperança", continuou a campeã olímpica.

Logo que viu seu nome no placar eletrônico com o número um do lado, a nadadora ficou radiante. "Eu não encontro palavras para descrever como estou me sentindo, mas estou realmente eufórica", afirmou a garota, que completou 20 anos pouco antes da Olimpíada começar. Ela também conquistou uma prata no revezamento 4x100 metros livre dos Estados Unidos.

Na hora da cerimônia de premiação dos 100m livre, tanto ela quanto Penny ficaram no lugar mais alto do pódio, ouviram dois hinos e viram duas bandeiras tremularem como primeiro lugar, uma em cima da outra. Tudo porque houve o empate. Primeiro, o sistema de som tocou o hino dos Estados Unidos e depois do Canadá. "Eu chorei muito depois da prova. Foi uma grande jornada e eu estou superanimada. Quando ouvi o hino nacional tocando, foi emocionante."

Como as duas nadadoras fizeram tempos iguais na prova, ambas ficaram com a medalha de ouro. A norte-americana Simone Manuel e a canadense Penny Oleksiak nadaram a distância em 52s70 e chegaram ao lugar mais alto do pódio. O bronze ficou com a sueca Sarah Sjostrom. E ninguém levou a prata.

O mais curioso é que no momento que houve a chegada da prova, as duas atletas olharam para o placar eletrônico, no alto do Estádio Aquático, e comemoram. Em um primeiro momento, não perceberam que havia sido empate. Mas depois que a ficha caiu, elas festejaram ainda mais e se abraçaram na piscina.

Não é comum as provas de natação terminarem em empate, até porque o sistema de cronometragem conta com grande precisão que marca os centésimos. Tudo é feito eletronicamente e por isso, quando o placar mostrou resultados iguais de tempo, não existia dúvida de que havia ocorrido mesmo um empate.