28°
Máx
17°
Min

Rudisha confirma favoritismo e fatura bicampeonato olímpico nos 800m

Foto: AFP - Rudisha confirma favoritismo e fatura bicampeonato olímpico nos 800m
Foto: AFP

O queniano David Rudisha confirmou o favoritismo na noite desta segunda-feira e faturou o bicampeonato olímpico nos 800 metros, no Engenhão, na Olimpíada do Rio de Janeiro. Atual dono do título e do recorde mundiais, o queniano chegou na frente com o tempo de 1min42s15.

O argelino Taoufik Makhloufi foi o segundo, com 1min42s61, seguido do norte-americano Clayton Murphy, com 1min42s93 - os três registraram as melhores marcas da distância na temporada. Com a conquista, Rudisha se tornou o primeiro corredor da distância ao se sagrar bicampeão olímpico desde 1964.

A defesa da medalha de ouro confirma o retorno de Rudisha aos grandes títulos depois de seguidos problemas físicos que enfrentou após se sagrar campeão em Londres-2012. As lesões abalaram o rendimento do queniano, que chegou a perder o Mundial de 2013 - foi campeão na edição de 2011 e retomou o domínio no ano passado, em Pequim.

Em outra prova marcante nesta noite, Shaunae Miller, de Bahamas, faturou o título olímpico nos 400 metros de um jeito inusitado. Ao tropeçar próximo da linha de chegada, a corredora cruzou em primeiro lugar enquanto sofria uma queda. O triunfo sobre a favorita Allyson Felix foi definido no photo finish (tecnologia que bate uma fotografia da linha de chegada).

Ao "voar" sobre a linha de chegada, Shaunae registrou o tempo de 49s44, logo à frente dos 49s51 de Allyson, que brigava pela quinta medalha de ouro da carreira - foram duas em Londres-2102 (200m, 4x100m e 4x400m) e uma em Pequim-2008 - 4x400m. A atleta de 30 anos teve que se contentar com a prata.

Já a corredora de Bahamas, de apenas 22 anos, faturou sua primeira medalha olímpica. De quebra, fez a revanche contra Allyson porque, no Mundial de Pequim, no ano passado, ela faturou a prata, ficando atrás da rival norte-americana nos 400m. Com o 49s44 desta segunda, Shaunae cravou o melhor tempo da temporada e sua melhor marca da carreira.

A jamaicana Shericka Jackson ficou com a medalha de bronze, com o tempo de 49s85.