24°
Máx
17°
Min

Seleção masculina de vôlei perde para a Itália e se complica na Olimpíada

(Foto: Rio 2016) - Seleção masculina de vôlei perde para a Itália
(Foto: Rio 2016)

De virada, a seleção brasileira masculina de vôlei sofreu sua segunda derrota nos Jogos Olímpicos do Rio e complicou sua situação na primeira fase do evento. Em duelo disputado a cada ponto, a superioridade do saque italiano pesou contra o time brasileiro, que perdeu por 3 sets a 1, com parciais de 23/25, 25/23, 25/22 e 25/15, neste sábado, no Maracanãzinho.

Com o resultado, a seleção brasileira está na quarta colocação no Grupo A, e disputará em jogo com a França, na segunda-feira, a classificação para as quartas de final. "É vida ou morte, estamos com as costas na parede", disse Bernardinho, após o jogo.

Quatro equipes disputam três vagas para a próxima fase: Brasil, França, Estados Unidos e Canadá. Todas estão empatadas com seis pontos, mas os franceses ocupam a segunda posição e os canadenses estão em terceiro após superarem o México por 3 sets a 0, seguidos por brasileiros e norte-americanos.

A Itália é líder do grupo, e está classificada, sem ter a dianteira ameaçada e vai encarar o Canadá na segunda. No mesmo dia, os EUA vão medir forças com o México, á eliminado e sem nenhum ponto.

Bernardinho indicou que será preciso conversar com cada jogador para evitar o abatimento após duas derrotas consecutivas. Na saída da partida, o levantador e capitão do time, Bruninho, disse que a equipe sentiu o "peso e nervosismo" em quadra, teve erros "infantis" e perdeu "a cabeça, o foco e a lucidez" no último set.

"Se soubesse que peso era, tentaria tirar de cima deles", disse Bernardinho, após ser questionado sobre a pressão sentida pelos jogadores. "É uma geração que foi consistente no ciclo como todo, mas bateu na trave. Fica a expectativa, se a gente está em casa tem mais expectativa. Como fazer para eles acreditarem, se soltarem no jogo, (para que) não sintam pressões excessivas... Temos que reagrupar e pensar na segunda-feira", completou.

O Brasil começou vencendo no primeiro set, mas deixou cair o ritmo de jogo em partida disputada ponto a ponto. A Itália cresceu ao longo do jogo e contou com um forte bloqueio na rede que parou o ataque brasileiro no terceiro e quarto sets. Com muitos erros do time dirigido por Bernardinho, a equipe italiana abriu dez pontos de vantagem no quarto set, tornando difícil uma virada brasileira.

O caminho para a vitória italiana foi pavimentado com um forte saque, principal arma da equipe em toda a competição. Ao todo, a equipe fez seis pontos de serviço - o time brasileiro, nenhum. Sem conseguir quebrar o contra-ataque adversário, sobrou para Serginho e Lucarelli segurar as fortes cortadas adversárias. Com dificuldades no passe, a equipe não conseguiu fugir do bloqueio italiano.

As duas equipes jogaram em igualdade de condições e a partida foi definida nos detalhes. No primeiro set, a armação de jogadas brasileiras funcionou bem, com variedade de recursos - tanto pelo meio de rede, com Lucão, quanto com bolas sem força, com Maurício Souza, que se recupera de lesão e entrou no jogo desde o início da partida. Até o segundo set, as duas equipes jogaram em igualdade de condições e a partida foi definida nos detalhes.

Na sequência, a Itália cresceu em quadra, com melhor eficiência nos ataques e com bloqueios precisos. Do outro lado, o Brasil sentiu a pressão e passou a errar mais bolas, insistir no saque forçado sem sucesso. O levantador Bruninho disse ter sentido a "completa falta de lucidez" no final da partida.

"Teve muito nervosismo na quadra, um peso que estamos carregando e a gente não precisa. A gente não conseguiu desempenhar aquilo que sabe fazer", disse o levantador. "Foram muitos erros, infantis até. Perdemos a cabeça, o foco e a lucidez. A gente fica frustrado. Hoje a gente traiu tudo aquilo que a gente fez, e isso é extremamente frustrante. A gente tem uma chance, e tem que ir com tudo", disse.