26°
Máx
19°
Min

Único atleta de Tuvalu no Rio quer correr como Bolt e jogar como David Luiz

Foto: Rodrigo Alves/GloboEsporte.com - Atleta de Tuvalu no Rio quer correr como Bolt e jogar como David Luiz
Foto: Rodrigo Alves/GloboEsporte.com


Todos os países que disputam os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro têm pelo menos um par de atletas. A exceção é Tuvalu, cujo único representante, Etimoni Timuani, vale por dois. Ao mesmo tempo em que é o homem mais rápido entre os pouco mais de 12 mil habitantes do seu país, é também o zagueiro titular da seleção tuvaluana de futebol.

Até o ano passado, só se arriscava na parte de dentro do campo nacional de esportes, que sequer merece a alcunha de estádio. Tuvalu é um estado na Polinésia, independente da Comunidade Britânica desde 1978. Mas, até agora, não conseguiu se associar à Fifa. Espera conseguir isso no ano que vem, o que permitiria ao país disputar as Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022.

Com mechas amarelas (não loiras) no cabelo, Timuani não titubeia para responder quem é seu ídolo no futebol: "Neymar". Como zagueiro, porém, espelha-se em David Luiz, a quem chama de "Deivid". O encontro entre eles nos gramados, porém, não será tão cedo.

Por enquanto, não há espaço nem para disputar competições independentes da Fifa, como os Jogos do Pacífico, uma espécie de Jogos Pan-Americanos dos países pequenos da Oceania. Em 2011, esteve no torneio com Timuani como zagueiro. Perdeu três vezes e só ganhou de Samoa Americana.

No atletismo, Timuani se saiu melhor. Venceu a seletiva nacional e ganhou a vaga que o Comitê Olímpico Internacional (COI) e a Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF) destinam aos países que não têm atletas classificados. Já havia feito isso no ano passado, quando disputou o Mundial de Pequim. Com 11s72, só ficou à frente de três rivais, todos de países minúsculos. Foi o melhor tempo da vida.

Na Vila Olímpica desde a madrugada desta quinta-feira, divide o quarto com os outro quatro membros da delegação - o presidente e o secretário-geral do comitê nacional estão em um hotel. Se o Brasil tem um prédio inteiro na Vila, Tuvalu divide o seu com outras nações vizinhas no Pacífico, como Ilhas Cook e Guam. "Somos todos amigos", diz. O país dele, afinal, tem menos habitantes que a Vila.