23°
Máx
12°
Min

Djokovic sente dores, perde set de polonês, mas vence na estreia no US Open

(Foto: Divulgação)  - Djokovic sente dores, mas vence na estreia no US Open
(Foto: Divulgação)

O sérvio Novak Djokovic estreou com vitória e também com preocupação nesta segunda-feira, na quadra central do US Open. Atual campeão do quarto e último Grand Slam do ano, o número 1 do mundo precisou de quatro sets para vencer o polonês Jerzy Janowicz por 3 a 1, com parciais de 6/3, 5/7, 6/2 e 6/1, após 2h37 de partida. Parte da dificuldade incomum em uma estreia pode ser atribuída a dores no punho esquerdo.

Djokovic sentiu dores no local, que já havia causado a desistência de disputar o Masters 1000 de Cincinnati, logo no quinto game da partida. Precisou até de atendimento médico em quadra. Apesar do susto, seguiu em quadra normalmente e buscou a virada sobre o 247º colocado do ranking da ATP.

Antes de Djokovic entrar em quadra, porém, a quadra central do US Open, chamada de Arthur Ashe Stadium, contou com uma breve cerimônia de abertura, com participação do cantor Phil Collins. O evento teve início com o teto retrátil fechado, mas somente para exibição da novidade do torneio para este ano - o tempo seguia limpo e muito quente em Nova York. Ao longo de uma das canções do músico, o teto se abriu. Foram cerca de 5 minutos para todo o procedimento.

Com o fim do show, Djokovic confirmou a superioridade no set inicial, apesar das dores. Aproveitou uma das cinco chances cedidas pelo rival para faturar a primeira quebra da partida e abriu vantagem. Janowicz até teve oportunidade para devolver a quebra, mas não teve sucesso.

As chances, porém, deram confiança ao polonês, que voltou melhor para a segunda parcial. Tanto que faturou duas quebras no set e empatou a partida. Djokovic não se abalou e recuperou o domínio do jogo na parcial seguinte. O sérvio continuou se impondo em quadra no quarto set e fechou o jogo mesmo distante de suas melhores apresentações.

Djokovic cravou 34 bolas vencedoras em toda a partida, contra as 41 do adversário. Oscilou no serviço, mas não sofreu maiores ameaças por causa das seguidas falhas de Janowicz. O polonês cometeu 59 erros não forçados, contra 18 do favorito, e acumulou 13 duplas faltas na partida.

Na segunda rodada, Djokovic poderá ter mais dificuldade pela frente. Seu advesário será o checo Jiri Vesely, 49º do ranking. Vesely, que eliminou indiano Saketh Myneni por 7/6 (7/5), 4/6, 2/6, 6/2 e 7/5 nesta segunda, venceu o sérvio no Masters 1000 de Montecarlo, em abril deste ano, no único confronto entre eles no circuito.

OUTROS RESULTADOS - Antes da estreia de Djokovic, outros cabeças de chave fizeram seus primeiros jogos no US Open. O canadense Milos Raonic, quinto pré-classificado e vice-campeão de Wimbledon, derrotou o alemão Dustin Brown em sets diretos, com parciais de 7/5, 6/3 e 6/4. Seu próximo adversário será o local Ryan Harrison, que eliminou o francês Adrian Mannarino por 6/4, 7/6 (7/5) e 6/3.

O francês Jo-Wilfried Tsonga também só precisou de três sets para vencer na estreia. O nono cabeça de chave bateu o argentino Guido Andreozzi por 6/3, 6/4 e 6/4. Na segunda rodada, Tsonga vai enfrentar o australiano James Duckworth, que avançou ao despachar o holandês Robin Haase por 4/6, 7/5, 6/3, 4/6 e 6/3.

Em outras partidas envolvendo cabeças de chave, o francês Benoit Paire (32º) venceu o sérvio Dusan Lajovic por 6/2, 2/6, 3/6, 7/5 e 6/1, enquanto o local John Isner (20º) superou o compatriota Frances Tiafoe por 3/6, 4/6, 7/6 (7/5), 6/2 e 7/6 (7/3).

O uruguaio Pablo Cuevas (18º) derrotou o israelense Dudi Sela por 6/3, 6/2, 0/6, 5/7 e 6/3, enquanto Jack Sock (26º) levou a melhor em outro duelo norte-americano, contra Taylor Fritz, pelo placar de 7/6 (7/3), 7/5, 3/6, 1/6 e 6/4. O francês Lucas Pouille (24º) passou pelo casaque Mikhail Kukushkin, por 3/6, 6/2, 6/4 e 6/2, e o sul-africano Kevin Anderson (23º) venceu o japonês Yoshihito Nishioka por 6/3, 7/5 e 6/4.

Também estrearam com vitória em Nova York o canadense Vasek Pospisil, o cipriota Marcos Baghdatis, o alemão Mischa Zverev, o checo Jan Satral e o argentino Federico Delbonis.