28°
Máx
17°
Min

Murray contém reação de Tsonga, avança à semifinal e encara Berdych

Contando com o apoio da torcida britânica, Andy Murray enfrentou nesta quarta-feira seu maior desafio nesta edição de Wimbledon. O tenista da casa teve pela frente o francês Jo-Wilfried Tsonga e suou para buscar a vitória em cinco sets. O número dois do mundo até abriu 2 sets a 0, mas permitiu o empate e sofreu para conter a reação do rival até fechar o jogo com parciais de 7/6 (12/10), 6/1, 3/6, 4/6 e 6/1.

Com o triunfo, finalizado após 3h53min de confronto, Murray avançou às semifinais de Wimbledon pela sétima vez na carreira. No ano passado, parou justamente nesta fase, diante do suíço Roger Federer. Antes disso, sua última semifinal foi em 2013, quando alcançou a decisão e conquistou o título.

Desta vez, Murray terá pela frente o checo Tomas Berdych. O décimo cabeça de chave avançou à semifinal ao superar, mais cedo, o francês Lucas Pouille em sets diretos, com parciais de 7/6 (7/4), 6/3 e 6/2. No retrospecto, Murray tem pequena vantagem sobre Berdych, com oito vitórias e seis derrotas. Porém, o tenista escocês venceu as últimas quatro partidas. O checo não leva a melhor desde 2013.

Diante de Tsonga, Murray fez um jogo equilibrado no set inicial, apesar de vir embalado na competição, até então sem perder sets. Cada um faturou uma quebra de saque e o duelo precisou ser definido num tie-break de 22 pontos. O local levou ligeira vantagem e fechou o set.

Depois de sofrer na primeira parcial, Murray dominou com facilidade a segunda. Obteve duas quebras de saque sem sequer ter o seu serviço ameaçado. Tsonga não esboçou reação. Isso só aconteceu a partir do terceiro set. Sem dar espaço para o britânico, o francês conquistou uma quebra e diminuiu a vantagem do anfitrião na parcial.

Parecia um acidente de percurso na vitória que Murray já delineava. Mas aí veio o quarto set e Tsonga manteve o ritmo. O escocês voltou a jogar bem, mas mesmo assim não conseguiu conter o rival.

A torcida já começava a temer a virada quando o quinto set começou com um break point a favor de Tsonga. Murray, porém, não se abalou e salvou o break. Melhor que isso: venceu o seu game de saque e impôs a quebra no seguinte. Desconcertado pela chance desperdiçada, o francês caiu de rendimento e Murray abriu 4/0 no placar. Tsonga ainda venceu um game de honra antes de ceder a vitória ao favorito.

Em grande momento em Wimbledon, Murray encerrou a partida exibindo números mais consistentes. Se não foi tão ousado quanto Tsonga no ataque, ao acertar menos bolas vencedoras (46 a 59), foi mais sólido na base ao falhar menos: cometeu apenas 23 erros não forçados, contra 47 do francês.

A outra semifinal da chave masculina de Wimbledon terá o suíço Roger Federer, que buscou virada incrível sobre o croata Marin Cilic nesta quarta, e o canadense Milos Raonic, que despachou o norte-americano Sam Querrey, algoz do número 1 Novak Djokovic.