21°
Máx
17°
Min

Duda e Elize Maia surpreendem e faturam ouro em Maceió; Evandro/Pedro é prata

(Foto: Divulgação)  - Duda e Elize Maia surpreendem e faturam ouro em Maceió; Evandro/Pedro é prata
(Foto: Divulgação)

A sergipana Cida militou por quase 20 anos no vôlei de praia, mas nunca sequer ganhou uma medalha num torneio do Circuito Brasileiro. A filha dela, Duda, que quando criança a acompanhava nos jogos, tem só 17 anos e foi muito mais além. Neste domingo, jogando com Elize Maia, ganhou seu primeiro torneio internacional: o Open de Maceió, primeira etapa feminina da temporada 2016 do Circuito Mundial de Vôlei de Praia.

Vice-campeã mundial sub-23 quando ainda tinha 14 anos, Duda é apontada como possível melhor do mundo no futuro. Inicialmente o planejamento era que ela ainda ficasse focada nos torneios de base. Mas no ano passado Duda formou dupla com Elize Maia, uma ex-modelo formada pela CBV, o time encaixou e os resultados começaram a aparecer.

Em Maceió, elas chegaram ao título com uma campanha invicta, sem ceder nenhum set em sete partidas. Na final, vitória por 2 sets a 0 (21/10 e 21/13) sobre Meppelink/Van Iersel, da Holanda, que na semifinal haviam vencido Ágatha/Bárbara Seixas, dupla brasileira que estará nos Jogos Olímpicos do Rio.

Aos 17 anos, Duda se tornou a terceira atleta mais jovem a faturar um título no Circuito Mundial. "Foi um momento incrível com a torcida a favor, minha família toda na arquibancada. Eu tinha mais é que me doar, jogar como se tivesse três braços, três pernas, tudo que pudéssemos fazer para não deixar escapar esse título", comentou Duda, que já tinha uma prata e um bronze em etapas do Circuito.

Méritos das jogadoras e também de Cida, mãe, tutora e técnica. "É um momento ímpar. Nós já estamos com essa parceria há quase um ano e ser campeão em uma etapa do Circuito Mundial no Brasil não tem como não ficar feliz. Estamos fazendo um trabalho muito bom com elas, orientando, protegendo até, em alguns momentos, e a gente fica segurando a onda para elas jogarem voleibol", festeja.

OLÍMPICOS - Das quatro duplas que representarão o Brasil nos Jogos do Rio, três estiveram em Maceió - Alison e Bruno Schmidt não se inscreveram. Duas chegam ao pódio: Ágatha/Bárbara Seixas com bronze e Evandro/Pedro Solberg com prata. Larissa e Talita caíram nas oitavas de final para uma dupla da Alemanha.

Eliminadas na semi, sábado, Agatha e Bárbara Seixas se recuperaram neste domingo para ganharem a medalha de bronze diante de Gallay e Georgina Klug, da Argentina, por 2 sets a 0 (21/13 e 21/15).

Evandro e Pedro Solberg fizeram a final masculina contra Phil Dalhausser/Nick Lucena dos EUA, e perderam por 2 sets a 1, parciais de 21/19, 19/21 e 15/12. Dalhausser foi campeão olímpico em 2008.

"O nosso campeonato foi bom. Estamos em nosso primeiro torneio do ano, e logo tivemos uma competição de alto nível. Apesar de ser um torneio Open, tivemos vários times entre os dez melhores do mundo. Fizemos uma boa campanha. Fico triste em perder a final, pois entremos sempre com o intuito de sermos campeões. Mas eu sei que não é fácil, é muito difícil e faz parte do jogo, às vezes a gente ganha, e às vezes a gente perde", disse Pedro.

O pódio masculino também teve duas duplas brasileiras, porque a decisão do terceiro lugar teve confronto nacional. Em duelo de dois times que prometem para o próximo ciclo, Saymon/Guto levou a melhor sobre Álvaro Flho/Vítor Felipe por 2 sets a 0 (21/18 e 25/23).

Parte da verba que a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) tinha para o circuito nacional foi alocada para a organização de quatro eventos internacionais no País até o dia 1.º de maio. Além de Maceió, o Circuito Mundial passa também por Rio de Janeiro, Vitória (ES) e Fortaleza (CE). Só o torneio no Rio, daqui a uma semana, é de nível Grand Slam. Os demais são da série Open, que vale menos pontos no ranking mundial e tem menor premiação.