23°
Máx
12°
Min

Alunos fazem ato contra ocupação de escolas no Rio

Alunos contrários à ocupação de escolas por estudantes, medida adotada para demonstrar apoio à greve dos professores da rede estadual do Rio, fizeram nessa quarta, 20, um ato em protesto contra a invasão das unidades. Os movimentos "Desocupa Já" e "Não Ocupa" promoveram uma caminhada iniciada em frente ao ocupado Colégio Estadual Heitor Lira, na Penha (zona norte). Os estudantes seguiram até o Largo da Penha, no bairro.

A primeira ocupação completou nessa quarta 30 dias - em 21 de março, estudantes tomaram as dependências do Colégio Estadual Mendes de Moraes, na Ilha do Governador (zona norte). Segundo a Assembleia Nacional de Estudantes Livres do Rio de Janeiro (Anel-RJ), entidade ligada ao PSTU e que promove as ocupações, 71 das 1.678 escolas da rede estadual estão sob controle dos alunos. Os professores estão em greve desde 2 de março passado. Além de reajuste salarial, alunos e professores cobram mudanças administrativas.

O ato dessa quarta, 20, reuniu estudantes que querem aulas e criticam a iniciativa dos colegas. "Acho que eles estão nos prejudicando. Queria muito fazer o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) agora, mas não vou poder porque eles estão tirando o direito da gente estudar. Eles estão apoiando os professores? Nós também. Mas podia juntar todo mundo e fazer uma manifestação. A gente ia ganhar muito mais com civilidade e ia ter mais resultados do que ficarem dentro da escola, impedindo de entrar os alunos e os professores que querem estudar e dar aula", afirmou Cindy Caroline Bazoli Caetano, que cursa a 2ª série do ensino médio no Heitor Lira.

A estudante Larissa Cordeiro, da 3ª série do ensino médio no Colégio Estadual Paulo de Frontin, na Tijuca (zona norte), também discorda da ocupação. "Achei errado eles pararem as aulas. Eles poderiam fazer manifestação sem afetar os estudos dos outros alunos. Vamos perder conteúdo para o Enem e ter nossas notas e aproveitamento afetados."

A Secretaria Estadual de Educação afirma ter adotado medidas exigidas pelos grevistas, como a redução do número de avaliações anuais da qualidade do ensino e o fim do programa de bonificação por resultados. Em assembleia promovida anteontem, os professores decidiram manter a greve. A próxima reunião está prevista para o próximo dia 28.