27°
Máx
13°
Min

Bebês com microcefalia têm lesão ocular


Pelo menos 13 crianças nascidas com microcefalia em Salvador e Recife em casos suspeitos de relação com o vírus zika apresentam também lesões oculares que podem levar à cegueira. A descoberta acrescenta novas evidências à hipótese de que a infecção pode ter impactos em outros órgãos, além do cérebro.

Os resultados, obtidos por equipe liderada pelo oftalmologista Rubens Belfort Jr, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), foram divulgados em dois estudos: um na terça, na revista Jama Ophthalmology, e outro em janeiro, na Lancet.

Em ambos, os pesquisadores observaram importantes lesões na retina dos bebês. "Em enormes áreas não existe tecido nervoso. É como se fosse uma tela de televisão com uma parte esburacada, preta, sem condições de enxergar mais", disse ao Estado Belfort Jr.

Ele iniciou a investigação com três bebês do Recife - cujo resultado saiu em janeiro - e depois analisou mais 31 crianças nascidas em Salvador no hospital Roberto Santos com suspeita de microcefalia. Delas, 29 tiveram a lesão cerebral confirmada, dos quais 27 mães haviam apresentado sintomas de zika durante a gravidez.

Em 10 bebês foram observados variados problemas oculares, e 7 deles tinham dois olhos com anormalidades. "Não tem como reverter essas lesões. As crianças não só terão o cérebro funcionando mal, como a visão não adequada. Pela minha experiência, acredito que várias delas ficarão cegas", diz.

O pesquisador alerta que a aparência dos olhos dos bebês analisados é normal, o que torna difícil para os pais ou médicos imaginarem que há um problema interno. Por isso, ele recomenda que toda criança nascida de mãe que teve sintoma de zika tenha os olhos examinados, assim como também orienta o Ministério da Saúde.

Sem microcefalia

Belfort Jr. afirma ainda que é possível que bebês que nasçam com o cérebro normal de mães que tiveram zika também possam apresentar o problema ocular. Para checar isso, a investigação continua com outros bebês no Nordeste. Nas duas investigações, foi descartada a ocorrência dessas moléstias nas mães.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.