21°
Máx
17°
Min

Butantã busca verba para pesquisas na Europa e nos EUA

(Foto: Divulgação)  - Butantã busca verba para pesquisas na Europa e nos EUA
(Foto: Divulgação)

O presidente do Instituto Butantã, Jorge Kalil, afirmou que a instituição está pedindo financiamento de agências dos Estados Unidos e da Europa para o desenvolvimento de uma vacina e para pesquisas sobre o vírus da zika. E disse que o Brasil corre o risco de ter de importar uma solução para o surto, se não agir de forma mais rápida para garantir o financiamento das atividades no País.

Na segunda-feira, em entrevista à reportagem, Kalil afirmou que não havia ainda recebido dinheiro prometido do governo federal, nem para a vacina de zika nem para completar a fase 3 de testes para o imunizante da dengue - um cheque de R$ 100 milhões assinado no dia 22 pela presidente Dilma Rousseff.

Na quarta-feira, 9, falando em Genebra para jornalistas estrangeiros, o brasileiro reconheceu que "o governo colocou alta prioridade na luta contra dengue e zika" e "se comprometeu" a manter as operações contra o surto. Mas alertou que "o Brasil tem muitos problemas de recursos". "Somos um País burocrático e isso pode ser contrário a nós. Isso diminui nossa competitividade. É frustrante."

Para completar os recursos que precisa, porém, ele confirmou que está em contato com a Comissão Europeia e com programas americanos dos Institutos Nacionais de Saúde (NIH, na sigla em inglês) para avaliar um pacote vindo do exterior.

"Estamos tentando conseguir dinheiro de onde vier. É muito importante conseguir o dinheiro necessário", explicou, ressaltando que "tem muita gente interessada no que estamos fazendo no Brasil". O cientista diz que precisa de R$ 30 milhões para pesquisas sobre zika. Até agora, o governo autorizou R$ 8,5 milhões. Na fase 3 de testes para a vacina da dengue, indicou que precisa de R$ 300 milhões.

Ministério

Reagindo aos comentários de Kalil emitidos ainda na segunda-feira, o Ministério da Saúde publicou uma nota indicando que "considera contraditórias as falas, uma vez que o laboratório não entregou documento obrigatório para a liberação de recursos".

"Mesmo estando dentro dos prazos previstos para início das transferências (até 30 dias após sua assinatura), o Ministério da Saúde fica impedido de destinar os valores diante desta pendência", explicou. Sobre os R$ 100 milhões para a fase 3 da vacina contra a dengue, a pasta ainda esclareceu que "os documentos exigidos para a liberação de recursos" foram entregues pelo Butantã na terça-feira, 8.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.