22°
Máx
17°
Min

Celso Amorim é indicado para ocupar cargo na entidade internacional Unitaid

O ex-chanceler Celso Amorim está sendo indicado para ocupar um cargo de direção numa entidade internacional. O ex-ministro do governo Lula e de Dilma Rousseff teve seu nome proposto para assumir a Unitaid, a entidade dedicada a garantir preços mais baixos para remédios e o acesso desses produtos a países em desenvolvimento.

Se for confirmado, Amorim será o terceiro brasileiro no comando de uma organização internacional. Roberto Azevedo ocupa a Organização Mundial do Comércio (OMC) e José Graziano da Silva é o chefe da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, a FAO.

A indicação de Amorim ocorreu antes do afastamento de Dilma Rousseff e ele pode ocupar o cargo que é do francês Philippe Douste-Blazy até o dia 23 de junho. A decisão será anunciada em Paris, já sob o governo de Michel Temer. Mas, por enquanto, o brasileiro é o único candidato chancelado pela entidade.

Na reunião da Unitaid em março, em Genebra, a candidatura do brasileiro também foi chancelada pelo organismo. "O Conselho de Administração recebe de forma favorável a candidatura de Celso Amorim para a função de presidente do Conselho de Administração da Unitaid", indicou uma resolução aprovada naquela reunião.

Segundo a nota, Amorim apresentou sua "visão" do que deve ocorrer com a entidade. "O Conselho de Administração decidiu submeter a candidatura de Amorim para a função de presidente nas eleições que vão ocorrer em junho de 2016", garante a minuta do encontro.

O brasileiro agora aguarda a chancela dos governos que, nos dias 22 e 23 de junho, se reúnem em Paris.

A Unitaid foi criada em 2006 como resultado de uma aliança entre o então governo de Jacques Chirac e de Lula. A meta era a de questionar a forma pela qual multinacionais do setor farmacêutico lidavam com seus preços pelo mundo e, assim, conseguiu compras substanciais para convencer o setor privado a reduzir seus preços. Ao projeto francês e brasileiro logo se somaram Chile, Noruega, Espanha e Reino Unido.

A ideia original da Unitaid era de que o dinheiro do novo fundo viria de uma taxa sobre cada passagem aérea. França, Congo, Chile. Camarões, Mali, Coreia do Sul e outros países africanos adotaram as regras. Mas, no caso do Brasil, a lei não foi adotada pelo Congresso. Mas a contribuição do governo foi mantida ao longo dos anos.