21°
Máx
17°
Min

Chuvas em São Paulo estragam 200 toneladas de frutas na Ceagesp

Com as fortes chuvas que atingiram a capital paulista na madrugada desta sexta-feira, 11, o Pavilhão das Melancias na Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), na Vila Leopoldina, zona oeste, foi alagado e registrou prejuízo de até 200 toneladas de frutas, segundo balanço parcial da companhia. Os produtos estão sendo descartados e o espaço passou por limpeza na manhã desta sexta-feira.

Permissionários dizem, porém, que o descarte de melancias, abacaxis e cocos verdes, principais produtos do pavilhão, pode ser o triplo do valor divulgado oficialmente. A situação está sendo normalizada aos poucos.

Os quatro portões da Ceagesp - dois de entrada e dois de saída - ficaram fechados entre 4 horas e 8 horas para o escoamento da água, que chegou até quase um metro de altura. No início da tarde desta sexta-feira, havia uma fila de caminhões no acesso do Portão 3, pela Avenida Gastão Vidigal. A situação está sendo normalizada, informou a Ceagesp.

"Estamos tomando cuidado para garantir juntos aos permissionários o reabastecimento desses espaços para que não haja alteração de preço em função da demanda. Não vai faltar mercadoria para a população de São Paulo, como também não vai aumentar o valor em função do ocorrido", afirmou Elmer Marques, gerente do Entreposto Terminal São Paulo. "Estamos fazendo o descarte desse material para garantir salubridade e evitar contaminação."

Segundo ele, o Pavilhão das Melancias foi o único atingido em função da proximidade com o Rio Pinheiros, que transbordou. Além disso, o espaço é um dos únicos que são rentes ao solo, o que facilita alagamentos.

Esta não é a primeira vez que o Pavilhão das Melancias é prejudicado em função das chuvas. O permissionário João Cardoso, que calcula o descarte de 200 toneladas de frutas, diz que o pavilhão carece de investimentos.

Há 35 anos como comerciante da Ceagesp Cardoso afirma que já foram mais de dez alagamentos no local. "Faltam investimentos e alguém tinha que tomar uma medida. O esgoto da Ceagesp dá no Rio Pinheiros. Mas, quando a natureza responde, o esgoto volta todo para a Ceagesp."