22°
Máx
17°
Min

Com 400 toneladas de lixo na rua, Sorocaba decreta emergência

Uma greve de coletores iniciada na noite de sexta-feira, 1, deixou cerca de 400 toneladas de lixo acumuladas nas ruas de Sorocaba, interior de São Paulo, na tarde deste domingo, 3. O risco de aumentar a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus, levou o prefeito Antonio Carlos Pannunzio (PSDB) a decretar situação de emergência. Cerca de 80 presos que cumprem pena no regime semiaberto foram convocados para realizar parcialmente a coleta.

De acordo com o secretário de Governo e Segurança Comunitária, João Leandro da Costa Filho, mesmo tendo mobilizado 18 caminhões, o serviço emergencial conseguiu apenas evitar um acúmulo maior de lixo. Como os caminhões não são apropriados, a coleta é feita de modo manual. A cidade produz 500 toneladas de material por dia e a ação havia resultado, até a noite de sábado, na coleta de 103 toneladas.

O secretário fez um apelo à população para que não coloque o lixo na calçadas ou nos contêineres de coleta pelo menos até esta segunda-feira, 4. O objetivo seria não favorecer a proliferação do Aedes aegypti. A cidade teve 142 casos confirmados e uma morte suspeita por dengue este ano. Foram 12 casos confirmados e 14 suspeitos de chikungunya. E outros 6 confirmados e 24 suspeitos de zika vírus.

Em quase todas as regiões da cidade, o material se acumula nas calçadas. Onde há contêiner, o recipiente não deu conta do volume e transbordou. Os sacos de lixo ocupam calçadas, parte de ruas e pistas de ciclismo. Em alguns pontos, ações de vandalismo ou cães em busca de alimento arrebentaram os sacos. O lixo se espalhou e já há mau cheiro.

No total, 425 funcionários, entre motoristas e coletores, aderiram à greve por aumento de 12,35% nos salários e de 37% no vale-refeição. A empresa ofereceu 11,08% de reajuste salarial, sem alterar o vale-refeição. Segundo a CSA, um reajuste maior afetaria o equilíbrio do contrato com a prefeitura.

O sindicato informou que, até sábado, mantinha 30% dos servidores e da frota trabalhando para cumprir a lei do serviço essencial. No entanto, esse pessoal e os caminhões de coleta foram recolhidos depois que a prefeitura passou a fazer a coleta emergencial. A prefeitura deve recorrer à Justiça nesta segunda-feira para que o serviço seja retomado integralmente.