20°
Máx
14°
Min

Depois de intenso tiroteio, Copacabana amanhece com policiamento reforçado

O policiamento nas ruas de Copacabana, na zona sul do Rio, amanheceu reforçado nesta terça-feira, 11, um dia depois do intenso tiroteio que deixou três suspeitos mortos, fechou o comércio da região e apavorou moradores. Um helicóptero da Polícia Militar sobrevoou o bairro nesta manhã, mas não houve registro de tiroteios e o clima na região estava tranquilo.

Durante a madrugada, policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope) fizeram buscas na mata e patrulharam a região, mas não houve confrontos.

O presidente da Associação de Moradores Viva Copacabana, Tony Teixeira, pediu maior apoio do governo federal, já que o Estado enfrenta crise financeira. "A gente sempre tem solicitado e temos sempre pedido que precisa ter o mesmo clima de Olimpíada e Copa do Mundo. Acho que o governo federal tem que dar um suporte para a polícia estadual, porque as armas vêm de outros países, vêm pelas fronteiras e aí a nossa polícia não tem como ter efetivo para combater tanta entrada de armas e drogas de outros países", afirmou Teixeira, em entrevista ao Bom Dia Rio, da Rede Globo. "Acho que é importante uma união de esforços pra gente tirar esse clima que está."

Os confrontos começaram na manhã de segunda-feira, 10, depois que grupos de traficantes atacaram bases das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP) das Favelas Pavão-Pavãozinho e Jacarepaguá. As aulas foram suspensas na região e moradores se esconderam nas suas casas. O som dos tiros podiam ser ouvidos nos bairros de Copacabana, Ipanema e Lagoa.

Em Copacabana, o comércio chegou a fechar. Traficantes tentavam abater o helicóptero da PM. Um dos criminosos foi atingido pelos policiais e caiu da encosta, uma queda de cerca de 30 metros - a imagem foi replicada na TV e em mídias sociais.

Além dos três suspeitos mortos, três policiais ficaram feridos no confronto, entre eles o comandante da UPP Pavão-Pavãzinho, capitão Vinícius Apolinário de Oliveira.