24°
Máx
17°
Min

Hospital de Americana registra 3ª morte por superbactéria

A administração do Hospital Municipal Dr. Waldemar Tebaldi, em Americana, interior de São Paulo, confirmou na quinta-feira, 17, a terceira morte causada pela superbactéria Klebsiella pneumoniae, conhecida pela sigla KPC, neste ano. As vítimas fazem parte de um grupo de 11 pacientes do hospital infectados pela bactéria, resistente aos antibióticos. Três pacientes continuam internados, dois deles em unidade de terapia intensiva.

De acordo com o médico Arnaldo Gouveia, infectologista do hospital, em todos os casos de óbito as vítimas tinham o estado de saúde muito debilitado. O último paciente a morrer apresentava quadro grave de pancreatite. O óbito já foi informado à Secretaria de Saúde do Estado, que acompanha o caso.

A primeira infecção aconteceu em janeiro, mas o hospital entrou em alerta após a detecção do segundo caso, em fevereiro. Exames do Instituto Adolfo Lutz identificaram a bactéria e os novos casos foram surgindo. De acordo com Gouveia, desde 25 de fevereiro não aconteceram novas infecções, mas é preciso esperar oito semanas para considerar que a bactéria saiu de circulação. Todos os pacientes foram tratados em regime de isolamento.

Existe a suspeita de que o primeiro paciente pode ter entrado no hospital já com a bactéria, por isso as unidades de saúde do município estão em alerta para o possível surgimento de casos fora do ambiente hospitalar. A Klebsiella pneumoniae é considerada superbactéria porque sofreu uma mutação genética que fez com que adquirisse resistência a vários tipos de antibióticos.