22°
Máx
14°
Min

Jovem é morto após tentar proteger amiga na zona leste de SP

Um jovem de 15 anos morreu com um tiro no peito ao tentar proteger uma amiga em uma suposta tentativa de assalto em São Mateus, na zona leste de São Paulo, na noite desta terça-feira, 5. Leonardo Kaique Cassiano Almeida voltava da escola acompanhado de outros quatro adolescentes, quando o grupo foi surpreendido por criminosos. Depois do disparo, os bandidos fugiram sem roubar nada.

Por volta das 23h, os jovens saíam da Escola Estadual São João Evangelista, localizada na Rua Forte de Cananeia, onde estudavam no período da noite. O grupo foi abordado por quatro criminosos em duas motocicletas quando estavam na esquina com a Rua Forte do Leme, a cerca de 350 metros do colégio. Todos usavam capacetes, motivo pelo qual as vítimas não conseguiram descrevê-los à polícia.

Segundo testemunhas, um homem que estava na garupa de uma das motos desceu e abordou os adolescentes. "É o seguinte", disse o bandido aos jovens, sem concluir a frase. Nesse momento, Leonardo tomou a frente da única garota do grupo, uma jovem de 15 anos, para protegê-la. De acordo com a menina, a vítima, pensando se tratar de um assalto, ainda pôs a mão no bolso para retirar o celular, mas acabou baleado. O criminoso teria tentado atirar pela segunda vez, mas a arma falhou.

A versão de outra testemunha, um adolescente de 16 anos, é um pouco diferente. Durante a abordagem, o criminoso teria virado o rosto, a fim de sacar a arma, presa na parte de trás da cintura. Ao empunhá-la, viu o jovem com a mão estendida para ele, oferecendo o celular. Possivelmente por imaginar que a vítima estava reagindo, o bandido atirou. Depois, voltou para a moto e, sem levar nenhum objeto, o bando fugiu pela contramão.

A ação criminosa foi rápida, durou cerca de três minutos. Leonardo foi atingido no lado direito do peito. O calibre da arma não foi identificado e os policiais não encontraram vestígios do crime no local. Socorrido ao hospital, a vítima não resistiu aos ferimentos e morreu uma hora depois.

Por causa do nervosismo e da iluminação ruim da rua, as testemunhas não anotaram as placas nem identificaram as motos usadas pelos criminosos. A Polícia Civil analisa imagens de câmeras de segurança de empresas instaladas na rua para identificar os veículos e tentar chegar aos assaltantes. O caso é investigado pelo 49º Distrito Policial (São Mateus).