26°
Máx
19°
Min

Marinha diz que navio de pesquisa oceanográfico está sendo usado nas buscas

A Marinha fracassou nessa quarta, 27, nas buscas do piloto do caça modelo AF-1B (A-4KU-Skyhawk) que caiu no mar de Saquarema, cidade na Região dos Lagos do Estado do Rio de Janeiro, após colidir no ar com outra aeronave militar, na tarde de terça-feira.

De acordo com a corporação, os dois caças, que operam no porta-aviões São Paulo, faziam um exercício quando, "durante o voo de afastamento do navio, em formatura tática, para a realização de um novo ataque, houve a colisão entre as aeronaves, com a provável ejeção do piloto e queda de uma delas no mar".

A Marinha negou oficialmente ao jornal O Estado de S. Paulo que o treino fizesse parte da preparação para a Olimpíada, a ser disputada no Rio entre os dias 5 e 21 de agosto. Segundo a Marinha, tratava-se de uma atividade de rotina.

De acordo com a Marinha, um navio de pesquisa oceanográfico está sendo usado nas buscas. O Vital de Oliveira é um navio equipado com um robô submarino com capacidade para mergulhar até 4 mil metros de profundidade. A Força Aérea, o Exército e o Corpo de Bombeiros do Estado do Rio colaboram na operação de busca.

Os caças voavam a cerca de 100 quilômetros ao largo do litoral de Saquarema. O aparelho conduzido pelo piloto desaparecido caiu no mar. O segundo avião envolvida no acidente conseguiu retornar à na Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia, também na Região dos Lagos, com o piloto a salvo.

As buscas avançaram pela madrugada, manhã e tarde desta quarta, com o emprego de navios e aeronaves. A Marinha informou que se concentra na busca pelo militar desaparecido. De acordo com a Marinha, a identidade do piloto é conhecida, mas não foi divulgada em respeito aos familiares. A Força divulgou ainda que presta todo o apoio necessário à família do piloto.

Nas buscas, os bombeiros usaram um helicóptero, motos aquáticas e botes, além de mergulhadores. Segundo o Corpo de Bombeiros, moradores de Saquarema avisaram que o piloto teria sido visto na praia da Igrejinha, em Saquarema, mas as buscas não confirmaram a informação.

O avião acidentado foi comprado pelo governo brasileiro em 2009, em um lote de 12 aeronaves orçadas em contrato em R$ 106 milhões. As aeronaves, após a compra, passaram por processo de modernização na Embraer. Os Skyhawk adquiridos pelo Brasil lutaram na Guerra do Golfo (1990-1991), tendo cumprido missões na Operação Tempestade do Deserto.