22°
Máx
17°
Min

MP quer impedir que Samarco retome atividades em Mariana

(Foto: Fred Loureiro/ Secom ES) - MP quer impedir que Samarco retome atividades em Mariana
(Foto: Fred Loureiro/ Secom ES)

Um dia depois da visita do ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho (PV), a Mariana para sobrevoo da área atingida pela lama da Samarco, o Ministério Público do Estado de Minas Gerais entrou na terça-feira, 17, com ação na Justiça para impedir o retorno do funcionamento da mineradora no município.

Durante a visita, foi apresentado ao ministro pela prefeitura da cidade documento pela volta da atividade da empresa. Sarney se negou a assinar o termo.

A justificativa foi que não se sentia à vontade para corroborar com o documento já que, durante a passagem pela região, verificou que a lama da Samarco, cerca de seis meses depois da tragédia, ainda continua a poluir o Rio Doce, um dos principais cursos d'água do Estado, atingido pelos rejeitos que vazaram da barragem da mineradora, em 5 de novembro do ano passado.

Na avaliação do Ministério Público, a Samarco só terá condições de retomar a mineração no município depois de comprovar a segurança das estruturas da empresa remanescentes usadas para contenção do rejeito de minério de ferro, para que nova tragédia não ocorra.

A ação pede suspensão da mina Alegria e da pilha de estéreis de mesmo nome. As atividades da Samarco em Mariana seguem embargadas pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad). Está em andamento, no entanto, pedido feito à pasta pela empresa para retorno das atividades em Mariana.

A Samarco trabalha com a possibilidade de voltar a operar no município até o fim do ano. Segundo o promotor Carlos Eduardo Ferreira Pinto, coordenador da força-tarefa montada pelo Ministério Público para apurar a tragédia em Mariana, "é preciso garantir que qualquer retorno (das atividades da Samarco em Mariana) se dê somente quando a sociedade for informada e tiver garantias de como será a destinação final dos rejeitos".

Em nota, a Samarco afirmou desconhecer "qualquer pedido do Ministério Público neste sentido".