24°
Máx
17°
Min

Novo estudo mostra que vírus destrói célula neuronal

Em um intervalo de apenas dois dias, duas pesquisas independentes, uma no Rio e outra nos Estados Unidos, chegaram a conclusões muito parecidas sobre como o vírus da zika é capaz de agir no cérebro, infectando e matando células neuronais, o que reforça a suspeita de que está por trás do aumento no número de casos de microcefalia no Brasil.

Na quarta-feira, um grupo carioca liderado pelo neurocientista Stevens Rehen, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e do Instituto D'Or, publicou um trabalho, em sistema de preprint (antes de avaliação por pares), que mostra que o zika infecta as células que agem como progenitoras cerebrais, ou seja, que dão origem ao órgão, o que acaba tendo efeito no seu desenvolvimento.

Trabalhando com células-tronco de pluripotência induzida cultivadas in vitro, assim como a equipe do Rio, e depois colocadas em contato com o vírus, eles viram que a infecção ocorria em três dias. Na sequência, as células acabavam sendo usadas para replicação viral. Elas ficavam mais propensas a morrer e menos propensas a se dividir normalmente e criar novas células cerebrais.

Ming disse que leu o trabalho de Rehen com grande interesse e ficou feliz de as conclusões convergirem. "Fica claro que a infecção por zika causa impacto no crescimento e na sobrevivência das células-tronco. Os dois estudos também validam que as células-tronco cultivadas em laboratório são um bom modelo experimental para avançar o conhecimento sobre a microcefalia."

Rehen também reforçou que a existência dos dois trabalhos consolida os dados. "Mas para entender a microcefalia precisamos de mais estudos. Alterações no ciclo celular também podem estar envolvidas. Não é só a morte celular que conta." As informações são do jornal O Estado de S.Paulo